Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.

Opinião

Compartilhar

editorial

- Publicada em 03h00min, 26/02/2020. Atualizada em 03h00min, 26/02/2020.

Desemprego deve cair mais em 2020

A Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão de assessoramento do Senado, divulgou que a taxa de desemprego brasileira caiu lentamente durante 2019, mas essa redução pode ser mais acentuada nos próximos meses. Se há uma notícia boa trata-se dessa, ainda mais para os milhões de desempregados que perambulam pelo País em busca de um emprego formal. Ainda de acordo com o relatório da IFI, o desemprego ficou em 11% no fim do ano passado, sendo que a taxa caiu com mais força nos últimos dois meses de 2019, o que indica que essa redução pode continuar nos primeiros meses de 2020. Parte desse aumento no nível de emprego se deve às novas modalidades de contratação, com o trabalho intermitente ou parcial.
A Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão de assessoramento do Senado, divulgou que a taxa de desemprego brasileira caiu lentamente durante 2019, mas essa redução pode ser mais acentuada nos próximos meses. Se há uma notícia boa trata-se dessa, ainda mais para os milhões de desempregados que perambulam pelo País em busca de um emprego formal. Ainda de acordo com o relatório da IFI, o desemprego ficou em 11% no fim do ano passado, sendo que a taxa caiu com mais força nos últimos dois meses de 2019, o que indica que essa redução pode continuar nos primeiros meses de 2020. Parte desse aumento no nível de emprego se deve às novas modalidades de contratação, com o trabalho intermitente ou parcial.
Conforme a IFI, o número de desempregados na economia somou 11,6 milhões de pessoas em dezembro de 2019, contra 12,1 milhões no mesmo mês de 2018. Em linhas gerais, as condições no mercado de trabalho continuam a apresentar melhora gradual, em acordo com a lenta recuperação observada na atividade econômica. De todo modo, existem sinais de avanço nas condições de emprego e renda, o que tende a impulsionar o consumo das famílias nos próximos meses.
Porém, o desemprego só cairá com mais intensidade quando a recuperação da economia for mais intensa.
A instituição projeta crescimento do PIB de 2,2% em 2020, o que ajudará a manter a trajetória de queda do desemprego caso se confirme. Também foi abordada pela IFI a taxa de inflação, com alta de 4,19% nos últimos 12 meses; as taxas de juros; conjuntura fiscal da União; análise das receitas e despesas da União em 2019 e respectivo resultado primário; dívida pública; e orçamento impositivo.
Como a inflação teve uma nova projeção de queda para este ano, espera-se que, em consonância, outros bons indicadores econômicos venham a ser revelados. Não se pode, evidentemente, querer acelerar, artificialmente, os indicadores econômicos, ainda mais quando se tem um recuo quase que generalizado na economia mundial, no rastro da crise aberta com a epidemia da Coronavírus na China, apesar de sua intensidade estar caindo.
Em razão disso, a economia chinesa está com previsão de queda para 2020, o que deverá se refletir em outros mercados, com o Brasil incluído, eis que os chineses são, hoje, o nosso maior mercado para exportações, principalmente no setor da agricultura e também em parte da pecuária.
Por tudo isso, o ano que parecia ser bem melhor do que 2019 já tem alguns percalços, mesmo que haja avanços aqui e ali. Resta torcer para que os indicadores melhorem sempre.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO