Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Opinião

Compartilhar

Editorial

- Publicada em 03h00min, 21/02/2020. Atualizada em 03h00min, 21/02/2020.

População brasileira está envelhecendo rapidamente

Um fenômeno que está acontecendo no Brasil, mas ainda com pouco entendimento e, menos ainda, lugar para debates e espaço na publicidade, é aquele que trata do envelhecimento da população nacional. Hoje, temos mais de 30 milhões de pessoas com mais de 60 anos - 54 milhões, se considerarmos todas as com mais de 50, de acordo com projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Não há mais como negar: o Brasil está envelhecendo.
Um fenômeno que está acontecendo no Brasil, mas ainda com pouco entendimento e, menos ainda, lugar para debates e espaço na publicidade, é aquele que trata do envelhecimento da população nacional. Hoje, temos mais de 30 milhões de pessoas com mais de 60 anos - 54 milhões, se considerarmos todas as com mais de 50, de acordo com projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Não há mais como negar: o Brasil está envelhecendo.
Há poucos anos, o envelhecimento da população era uma onda prestes a chegar, mas ainda invisível para marcas, organizações e para a sociedade em geral. As mulheres maduras, por exemplo, já representam 13,7% da população, ultrapassando os 29 milhões de pessoas - o equivalente a quase três vezes a população de Portugal. Mas nós não estamos envelhecendo como antigamente. Na busca por novos paradigmas do que é envelhecer, as mulheres maduras também têm buscado novos lugares sociais. E aqueles que ocupamos até hoje, estão sendo ressignificados. Mas, se as mulheres maduras já representam um volume tão grande da população, onde estão, afinal?
Os idosos não estão na publicidade, menos ainda as mulheres, onde sempre são representadas por jovens com beleza esfuziante, um modelo de décadas.
Mas o chamado público sênior é responsável por 50% do consumo global. Em Cannes, no ano passado, mais de 70% das agências de publicidade afirmaram nunca ter recebido um briefing voltado para o público sênior. E se um departamento de marketing descobre que a média de idade do seu público mudou, isso é motivo de desespero. Afinal, sua marca está envelhecendo.
Essa miopia do mercado torna invisível o potencial de consumo do mercado maduro. Só no Brasil, a população mais velha gera uma receita de R$ 1,6 trilhão por ano. Mas, enquanto todos os olhares se voltam para os Millennials, as marcas não se dão conta de que o Brasil já tem mais avós do que netos. A distorção é gigante. Noventa e dois por cento das mulheres entrevistadas em pesquisa não se sentem representadas na publicidade. Mesmo quando existem modelos maduras em campanhas femininas, elas estão representadas por velhos estereótipos que ainda as colocam de cabelos em coque e xale.
O que é sentido na comunicação, também está refletido nas prateleiras. Mais de 40% das mulheres maduras reclamam da falta de produtos e serviços para suas necessidades. É um mercado que merece muita atenção, além das casas geriátricas, cada vez em maior número.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO