Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Opinião

Compartilhar

ARTIGOS

- Publicada em 03h00min, 03/02/2020. Atualizada em 03h00min, 03/02/2020.

Justiça social e seus desafios

Eduardo Souza dos Santos
O século que vivemos se demonstra turbulento e desafiador. O mundo democrático enfrenta desafios e "reconstruções" a todo momento. Ulysses Guimarães, o senhor democracia, ao promulgar a Constituição Federal de 1988 proferiu: "A Constituição certamente não é perfeita".
O século que vivemos se demonstra turbulento e desafiador. O mundo democrático enfrenta desafios e "reconstruções" a todo momento. Ulysses Guimarães, o senhor democracia, ao promulgar a Constituição Federal de 1988 proferiu: "A Constituição certamente não é perfeita".
Ela própria o confessa, ao admitir a reforma. A representatividade legislativa por meio do diálogo e interpretações do calor das ruas busca sanar os anseios sociais de indivíduos, grupos e instituições, modificando por vezes nossa Carta Maior.
Entre distintos interesses políticos precisamos defender fortemente os marcos civilizatórios mínimos já conquistados frente às reformas políticas estruturais que abrangem a vida em sociedade.
Os princípios reinterpretados e legislações modificadas ocasionam uma série de novas legislações e atuações no mundo jurídico e social.
Em um País em que oportunidades não são distribuídas igualmente amparar e proteger os que mais precisam, seja no fundamental acesso à Justiça ou em auxílios financeiros para o seu mínimo sustento, é o caminho para uma sociedade mais igual, para se aprimorar a dignidade humana, e não retroceder em direitos já conquistados.
O poder público tem por objetivo gerir nossa sociedade amparando a todos da melhor maneira possível, por todos contribuírem conjuntamente para essa melhoria de vidas e do País em geral, é que devemos manter a solidariedade coletiva em pauta e o discernimento das inúmeras realidades do Brasil.
Governar é eleger prioridades de forma transparente, com números claros e objetivos definidos que conduzam a sociedade como um todo a um mundo mais fraterno e culto, engajando famílias a buscarem melhores condições de vida, garantindo acesso a serviços de qualidade.
Nossos legisladores devem manter conquistas de gerações passadas e definir o ponto de partida para futuros aprimoramentos sociais.
Um Brasil mais digno, liberto, forte e esclarecido começa em nossos municípios, é em nossas cidades que se faz educação, saúde, infraestrutura e segurança.
Em nossas comunidades sentimos o clamor de todas as áreas sociais, é aqui onde o Brasil acontece, padece, sonha e realiza. É onde a sociedade sente a falta de recursos que foram desviados pelos canais da corrupção. É onde o Brasil clama e espera por maiores recursos para dar mais dignidade aos seus cidadãos.
Estudante de Direito/Univates
Comentários CORRIGIR TEXTO