Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de janeiro de 2020.
Dia Nacional do Aposentado.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 24/01/2020.
Alterada em 24/01 às 07h43min
COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

'Conjunto de projetos que reestrutura o Estado configura uma das mais profundas reformas da história do RS', diz Lara

'Conjunto de projetos que reestrutura o Estado configura uma das mais profundas reformas da história do RS', diz Lara


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
"O conjunto de projetos que reestrutura o Estado configura uma das mais profundas reformas da história do RS. A Assembleia tem sido o espaço de diálogo sobre estas mudanças. E, mesmo enfrentando temas delicados em votações dificílimas, tem conduzido o processo de forma transparente e democrática, sem, contudo, deixar de decidir." Luís Augusto Lara (PTB), presidente da Assembleia.
"O conjunto de projetos que reestrutura o Estado configura uma das mais profundas reformas da história do RS. A Assembleia tem sido o espaço de diálogo sobre estas mudanças. E, mesmo enfrentando temas delicados em votações dificílimas, tem conduzido o processo de forma transparente e democrática, sem, contudo, deixar de decidir." Luís Augusto Lara (PTB), presidente da Assembleia.
"Os governos federal, estadual e municipal terão arrecadado R$ 200 bilhões em tributos e contribuições nesta sexta-feira, dia 24, por volta de 1h40, segundo o Impostômetro, índice da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) que calcula os valores recolhidos em impostos. No ano passado, foi preciso um dia a mais para o valor ser atingido." Emílio Alfieri, economista da ACSP.
"A redução da Selic e a política de estímulo para tomada de crédito à pessoa física têm ajudado a aumentar a arrecadação sem que as alíquotas subissem. Mas, o governo deve conter os ânimos com relação ao aumento da arrecadação via tributos para reduzir o déficit primário, que deve ser de R$ 110 bilhões em 2020. Não há espaço para elevar os impostos, ou criar novas taxas, sem que isto afete o crescimento econômico. Reduzir os gastos públicos é uma alternativa melhor para lidar com o déficit." Também Emílio Alfieri.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia