Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 12 de janeiro de 2020.
Aniversário da Caixa Econômica Federal.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 10/01/2020.
Alterada em 12/01 às 20h36min
COMENTAR | CORRIGIR

Turismo no Estado

Lendo a nota "Nosso fraco turismo" (Repórter Brasília, Jornal do Comércio, edição de 07/01/2020), sou obrigado a complementar que, sem infraestruturas de estradas, acessos civilizados e urbanizados aos principais pontos turísticos do Rio Grande do Sul, o ranço fiscalizatório e impotente nas áreas de conservação, péssimas estradas, praias sujas e, para piorar, onde inexistem bons serviços de restaurantes e bares com sanitários limpos, o turista se arrepende e desiste de viajar pelos locais de propaganda enganosa. Os prefeitos deveriam ocupar suas centenas de funcionários para fiscalizar e trabalhar pelos municípios, fazer economias e apresentar opções para bem receber os turistas e veranistas que, na verdade, são as grandes receitas para manutenção e reinvestimento nas localidades turísticas. Para captar maior volume de turistas, exige participação de toda a infraestrutura pública: disposição, educação, segurança, limpeza e bons serviços da iniciativa privada. (Ramiro Nunes de Almeida Filho, Porto Alegre)
Lendo a nota "Nosso fraco turismo" (Repórter Brasília, Jornal do Comércio, edição de 07/01/2020), sou obrigado a complementar que, sem infraestruturas de estradas, acessos civilizados e urbanizados aos principais pontos turísticos do Rio Grande do Sul, o ranço fiscalizatório e impotente nas áreas de conservação, péssimas estradas, praias sujas e, para piorar, onde inexistem bons serviços de restaurantes e bares com sanitários limpos, o turista se arrepende e desiste de viajar pelos locais de propaganda enganosa. Os prefeitos deveriam ocupar suas centenas de funcionários para fiscalizar e trabalhar pelos municípios, fazer economias e apresentar opções para bem receber os turistas e veranistas que, na verdade, são as grandes receitas para manutenção e reinvestimento nas localidades turísticas. Para captar maior volume de turistas, exige participação de toda a infraestrutura pública: disposição, educação, segurança, limpeza e bons serviços da iniciativa privada. (Ramiro Nunes de Almeida Filho, Porto Alegre)
Obras na Capital
Mais de cinco anos e, desastrosamente, a confiança e a responsabilidade dos gestores na solução de obras e problemas seguem de mãos dadas com a perda de recursos dos contribuintes e do município. Duas obras intermináveis, a trincheira da avenida Ceará e a sede do Departamento de Previdência do Município, nesta, com perda de R$ 1,5 milhão em aluguel por ano. Ambas com mais de meia década de gastos e desculpas, estranho, ninguém questiona o prefeito e o secretário da Fazenda pelas declarações de falta de recursos. Parece que a Câmara de Vereadores também não quer se responsabilizar com tais problemas, mas, por dever constitucional, deveria mover uma investigação e dar uma resposta convincente à sociedade. Por tudo que se lê, se ouve ou se vê, fica uma convicção, a de que, na política, a verdade só tem um lado. (Marcelino Pogozelski, presidente do Sintran)
Código Ambiental
Só comemora o fim da representatividade dos conselhos a turma que vê as ferramentas de controle ambiental, entre elas, o licenciamento, como um entrave ambiental. São os infratores e os desinformados. (Lena Annes)
Compras on-line
Bem se sabe o valor da internet, e, certamente, todos conhecem alguém que já foi lesado em compras on-line, cujo produto não foi entregue ou divergiu do ofertado. Me atrevo a propor uma medida provisória para coibir abusos e expurgar todos os que mentem para vender coisa diversa do que têm a oferecer, disciplinando o uso de cartão de crédito nas compras feitas pela internet e debitando o valor pago apenas após certificação pelos Correios da entrega do produto. A importância, urgência e relevância da medida é mais que patente, porque envolve a confiança, base de toda negociação. (Nadir Silveira Dias)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia