Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigos

Alterada em 03/12 às 03h00min

Mochileiro das Galáxias

Mariana Benjamin
Na história do Guia do Mochileiro das Galáxias, originalmente transmitido na BBC Rádio, em 1978, o herói conheceu um aparelho eletrônico que parecia muito complicado e trazia na sua capa os dizeres "Don't Panic" em letras garrafais e amigáveis. Era um livro extraordinário que, impresso, seria uma biblioteca desconfortavelmente grande para um mochileiro interestelar.
Na história do Guia do Mochileiro das Galáxias, originalmente transmitido na BBC Rádio, em 1978, o herói conheceu um aparelho eletrônico que parecia muito complicado e trazia na sua capa os dizeres "Don't Panic" em letras garrafais e amigáveis. Era um livro extraordinário que, impresso, seria uma biblioteca desconfortavelmente grande para um mochileiro interestelar.
Além disso, a história trazia um culto às toalhas. Todo mochileiro devia ter uma e ela não só era útil, como também exercia influência psicológica sobre os não mochileiros, garantindo ajuda e respeito aos donos. Guarde esse dado.
A Lei Geral de Proteção de Dados, tal qual o aparelho complicado, parece de outro mundo, mas representa um dos diplomas mais completos de proteção que já vimos no Brasil. Isso significa que, a despeito do pânico inicial e vontade de voar para as estrelas, a lei traz benefícios e protege os relacionamentos que temos no mercado.
Disseminar pânico é tão infrutífero quanto conduzir o Programa de Integridade em Privacidade baseado nele. Pare, "don't panic" e pensa comigo: o reconhecimento legal da impossibilidade de atribuir um valor mercantil aos nossos dados pessoais, a ser pago para terceiros, é tão óbvio que chega a ser estranho. É dizer que não posso vender o lápis do meu colega porque o lápis não é meu - lógico!
Dito isso, em primeiro lugar, as primeiras coisas. Quando eu olho para a LGPD e para dentro da empresa, qual o gap de atendimento que eu vejo? Antes de sair fazendo altos investimentos para contratar um terceiro, saiba, em linhas gerais, o tamanho do desafio que você enfrenta e não se esqueça da sua toalha (lembra?).
Sua organização é sua toalha. Ela deve estar a par da necessidade de conformidade com a legislação e participar ativamente da implementação da estrutura de privacidade. Chame a alta direção, o compliance, o jurídico, o comercial, a TI e o RH, faça uma mesa redonda e mapeie as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças da empresa, faça uma matriz de risco específica e fuja dos lugares comuns de pacotes oferecidos de forma indiscriminada por aí. Customização é a chave!
Seja diferenciado, utilize a LGPD como um diferencial competitivo, leia a "Trilogia de 5 partes" do Douglas Adams, leve sempre a toalha consigo e don't panic!?
Advogada
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia