Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigos

Alterada em 06/11 às 03h00min

Manchas de óleo

Paulo Franquilin
Interessante a nossa preocupação com o óleo que chegou ao litoral nordestino, onde vários pontos turísticos foram afetados, com inúmeros cancelamentos de viagens e passeios para as praias de água límpida e lindas paisagens.
Interessante a nossa preocupação com o óleo que chegou ao litoral nordestino, onde vários pontos turísticos foram afetados, com inúmeros cancelamentos de viagens e passeios para as praias de água límpida e lindas paisagens.
No entanto, diariamente, os rios que cercam nossas cidades recebem dejetos industriais, esgoto e lixo, sem que tenhamos qualquer manifestação para que tais fatos deixem de acontecer, ou que as indústrias e populações tenham cuidado com as águas daqui.
Basta andar próximo a riachos, córregos e rios para ver a falta de educação de nossos moradores, os quais largam tudo nesses espaços, imaginando que a correnteza levará os restos de construção, as garrafas, as latas e os sacos plásticos para longe.
Nas ruas e nas calçadas, é cena comum ver muito lixo espalhado. Somos individualistas, largando o que não nos serve mais em qualquer lugar, desde que não seja dentro de nossas residências. Praças e parques também são vítimas do desrespeito dos frequentadores, sendo comum os trabalhadores da limpeza urbana recolhendo garrafas e latas nas segundas-feiras, depois de fins de semana com movimento nesses locais.
Observar o que está longe e chamar a atenção para o descaso dos governos com a estrutura das lindas praias nordestinas é mais fácil do que praticar o cuidado com os espaços públicos onde vivemos.
Somos responsáveis pelo ambiente urbano, mas parece que isso não é importante.
Existem toneladas de lixo retiradas dos leitos de nossos rios e riachos, que não chegaram lá por catástrofes naturais ou acidentes, mas por negligência da população.
Se todos cuidarem de separar papéis, plásticos, garrafas, latas, recipientes e embalagens, conforme a categoria de cada material, já será um passo para melhorar nossas cidades.
E se não jogarmos lixo nas ruas, e muito menos dentro dos rios, contribuiremos, consideravelmente, para que a qualidade da água melhore muito.
Da mesma forma, que os sistemas de esgotos não entupam nos dias de chuvaradas.
Jornalista e escritor
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia