Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigos

Alterada em 25/10 às 03h00min

As verdades da nova praça pública

Balala Campos
Dicotomia, polarização, pensamentos sectários, jamais opiniões conciliadoras, tal qual uma partida de futebol e seus torcedores. Este é o mundo que vivemos, onde o pensamento crítico e analítico parece ter desaparecido. Entretanto, antes da era digital, as pessoas tinham que ter conhecimento e argumentos sobre o assunto para expressar sua opinião publicamente. Com o advento das redes sociais, cada vez mais fortes, todos tiveram a possibilidade de opinar, e viraram arautos da verdade, a qual proclamam em alto e bom som. As suas verdades, ressalte-se, sem argumentos, na quase totalidade das vezes.
Dicotomia, polarização, pensamentos sectários, jamais opiniões conciliadoras, tal qual uma partida de futebol e seus torcedores. Este é o mundo que vivemos, onde o pensamento crítico e analítico parece ter desaparecido. Entretanto, antes da era digital, as pessoas tinham que ter conhecimento e argumentos sobre o assunto para expressar sua opinião publicamente. Com o advento das redes sociais, cada vez mais fortes, todos tiveram a possibilidade de opinar, e viraram arautos da verdade, a qual proclamam em alto e bom som. As suas verdades, ressalte-se, sem argumentos, na quase totalidade das vezes.
Por outro lado, a veia manipulatória dos algoritmos nos comandam, e sorrateiramente, nos aproximam dos iguais, contribuindo para a impossibilidade de troca de ideias. Orgulhosos da sua verdade inexpugnável as pessoas brigam e atacam sem dó nem piedade, tanto nas redes, quanto na própria convivência social. A máxima comportamental dominante passou a ser "Quem não pensa como eu, precisa ser agredido". A luta pelo poder e pela posse da verdade está no comando. Às custas deste pensamento sectário, polarizador e sem consistência, o Brasil tem perdido o trem da história, já que a meta predominante é de que é preciso derrubar, nos cargos públicos, tudo o que o antecessor (e inimigo) fez.
Historicamente, os dogmas - verdades indiscutíveis - que hoje predominam nas redes sociais, sempre estiveram reservados às igrejas e aos fanáticos de qualquer ordem. E a questão da verdade, tema dos mais caros à tradição ocidental e fonte de investigação que se confunde com a própria história da Filosofia, tem sido pensada e discutida de forma não- dogmática desde a Grécia antiga, de forma não dogmática.
Felizmente, aos intelectuais ainda são exigidos à exaustão provas e estudos em teses que defendem nos bancos acadêmicos ou nas comunidades científicas. No entanto, na imensa praça pública das redes sociais, nada é exigido. Todos são donos da verdade. E pobre de quem ouse contrariar....
Dialogar implica, fundamentalmente, expressar com clareza as próprias ideias, escutar o outro, admitir que uma percepção diferente possa existir e ser legítima.
Será que não poderíamos fazer o exercício de pensar de forma mais holística, mais construtiva, menos sectária? Talvez possamos contribuir para um País melhor pelo exercício consciente da nossa cidadania para além do simples conflito.
Jornalista
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia