Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de outubro de 2019.
Feriado nos EUA: Columbus Day.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigos

Edição impressa de 14/10/2019. Alterada em 14/10 às 03h00min

O turismo de fronteira e os free shops

Manuel Suárez
A regularização dos free shops do lado brasileiro da fronteira foi finalmente consolidada. De acordo com a Lei nº 12.723, as lojas francas podem ser instaladas em cidades gêmeas com mais de 2 mil habitantes. São 29 cidades aptas em todo o território nacional e 11 só no Rio Grande do Sul, onde quatro lojas já receberam autorização para funcionar, duas delas em Uruguaiana, uma na Barra do Quaraí e outra em Jaguarão.
A regularização dos free shops do lado brasileiro da fronteira foi finalmente consolidada. De acordo com a Lei nº 12.723, as lojas francas podem ser instaladas em cidades gêmeas com mais de 2 mil habitantes. São 29 cidades aptas em todo o território nacional e 11 só no Rio Grande do Sul, onde quatro lojas já receberam autorização para funcionar, duas delas em Uruguaiana, uma na Barra do Quaraí e outra em Jaguarão.
E para discutir maneiras de incentivar o turismo nessas regiões, a CNC, através do Conselho Nacional de Turismo, criou uma comissão com representantes de todos os estados que possuem cidades habilitadas a instalar free shops.
A comissão analisa o potencial de oportunidades que surgirão com os investimentos de lojas francas do lado brasileiro. E o que ficou evidente, desde os primeiros encontros, foi a necessidade de atuar em conjunto com o setor terciário (comércio e serviços) para promover um turismo receptivo mais abrangente nessas regiões.
Além de trazer um maior desenvolvimento para as regiões fronteiriças, os free shops concentrarão boa parte do capital despendido pelos turistas em compras em território nacional. Esse tipo de comércio possui grande potencial para aumentar o fluxo turístico nas cidades brasileiras que fazem divisa com países vizinhos, servindo de gatilho para desenvolver setores como o gastronômico, o hoteleiro e o de eventos. Outro ponto importante desse tipo de turismo é o aumento na geração de empregos e, consequentemente, a prosperidade das comunidades. A ideia da comissão é, após desenvolver as regiões que já recebem fluxo turístico por conta das compras, como as cidades aqui do Estado, implantar as ações nas demais regiões do País.
Para desenvolver o turismo de fronteira, o primeiro passo é ouvir o cliente para saber o que ele precisa e, se possível, descobrir o quanto ele quer pagar por isso. Depois, identificar em qual tipo de turismo ele se encaixa: corporativo, eventos, compras, lazer. O ideal é tentar encaixá-lo em mais de uma categoria, fazendo com que o seu interesse na região visitada seja maior e, consequentemente, ele necessite ou queira ficar mais tempo.
Devemos entender que o crescimento do turismo é lento, mas que, se apoiado em excelentes produtos e serviços, sem esquecer da prática de preços competitivos, é possível evoluir de forma contínua.
Presidente do Sindihotel
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia