Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de outubro de 2019.
Dia do Compositor.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

07/10/2019 - 14h58min. Alterada em 07/10 às 15h40min

Pontos C.H.A.V.E.

Marcelo Pelissioli
No meio administrativo, cada vez mais se torna comum a expressão “Gestão por Competências”, referindo-se à identificação de perfis profissionais que sejam capazes de se entranhar da forma mais natural possível ao ambiente corporativo, gerando, assim, o melhor retorno sobre o investimento da contratação de alguém. Para essa gestão, o acrônimo C.H.A., criado por David McClelland, vêm, ao longo dos anos, sendo bastante utilizado, significando Conhecimentos, Habilidades e Atitudes.
No meio administrativo, cada vez mais se torna comum a expressão “Gestão por Competências”, referindo-se à identificação de perfis profissionais que sejam capazes de se entranhar da forma mais natural possível ao ambiente corporativo, gerando, assim, o melhor retorno sobre o investimento da contratação de alguém. Para essa gestão, o acrônimo C.H.A., criado por David McClelland, vêm, ao longo dos anos, sendo bastante utilizado, significando Conhecimentos, Habilidades e Atitudes.
A necessidade do funcionamento orgânico de um profissional em uma empresa de forma mais rápida fez com que esse acrônimo evoluísse de C.H.A. para C.H.A.V.E., o qual, atende agora por Conhecimentos, Habilidades, Atitudes, Valores e Entorno. São eles:
C, de Conhecimentos: é o saber intelectual, é aquilo que foi adquirido através do estudo. Aqui se inclui todo o conhecimento acadêmico, os cursos, os livros lidos e as palestras assistidas;
H, de Habilidades: é o saber fazer, a experiência prática, fatores que a exposição e a lida proporcionaram ao profissional. Refere-se às tentativas e erros, e o aprendizado proveniente disso. É nosso conhecimento aplicado, como o uso de ferramentas, idiomas, inteligência emocional, entre outras.
A, de Atitudes: é o comportamento propriamente dito, o “querer fazer” e o modo com que o profissional se relaciona com seus conhecimentos e habilidades e seu entorno. É a disposição de fazer acontecer, de tomar decisões, de ser protagonista, de avançar ou recuar;
A esses, somam-se:
V, de Valores: são os “porquês”, os propósitos e as crenças do profissional. Do alinhamento pessoal desse item com os valores da empresa pode emergir uma comunhão benéfica e duradoura. Por outro lado, o descompasso nesse item fragilizará a relação a tal ponto que haja rompimento assim que uma das partes não mais conseguir tolerar indiferença ou agressão ao que lhe é fundamental;
E, de Entorno: é o ambiente, o espaço físico e psicológico, as condições necessárias de tempo e espaço que propiciam, mesmo que temporariamente, a melhor performance possível. Refere-se a entender o momento e as circunstâncias em que se está inserido.
Muitos alicerces de conceitos como liderança, gestão de pessoas, empregabilidade e recursos humanos vêm sendo rapidamente desconstruídos e remontados. Cabe a cada um de nós acompanhar as novas tendências naquilo que se espera de um profissional de excelência e, igualmente, do que um profissional de excelência espera de uma organização.
Coach em Canoas/RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia