Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de outubro de 2019.
Dia do Petróleo Brasileiro. Dia Mundial do Dentista.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigos

03/10/2019 - 03h00min. Alterada em 03/10 às 03h00min

Aplicação da ISO 45001:2018 nas empresas

A cada ano, em média, 2,3 milhões de pessoas morrem devido a acidentes de Segurança do Trabalho no mundo e outras 374 milhões são diagnosticadas com lesões ou doenças que resultam em afastamento do trabalho, de acordo com levantamento da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Buscando reduzir esses números, a ISO 45001:2018 vem como o mais recente modelo internacional de requisitos de sistemas de gestão para a melhoria da saúde e segurança do trabalho em organizações de todos os portes.
A cada ano, em média, 2,3 milhões de pessoas morrem devido a acidentes de Segurança do Trabalho no mundo e outras 374 milhões são diagnosticadas com lesões ou doenças que resultam em afastamento do trabalho, de acordo com levantamento da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Buscando reduzir esses números, a ISO 45001:2018 vem como o mais recente modelo internacional de requisitos de sistemas de gestão para a melhoria da saúde e segurança do trabalho em organizações de todos os portes.
Como substituta da anterior denominada OHSAS18001, o objetivo principal da ISO 45001:2018 é o de implementar um sistema de gestão que permita o controle e a redução da gravidade e/ou da frequência de acidentes e de doenças relacionadas ao trabalho. As novas certificações das organizações para os Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança do Trabalho (SGSST) devem seguir este novo padrão ISO. Para as empresas já certificadas na OHSAS18001, o prazo para migração é até início de 2021. Os requisitos da norma se estendem também aos terceiros e fornecedores envolvidos de forma direta ou indireta nos processos da organização.
Com estrutura similar aos padrões normativos ISO9001 e ISO14001, esta nova revisão facilita a integração dos sistemas. Várias foram as modificações em relação aos requisitos anteriores, entre os principais estão: adequação dos capítulos ao padrão das normas ISO9001:2015 e ISO14001:2015 facilitando sua integração; maior foco no envolvimento da liderança; exigência da análise de contexto nos ambientes interno e externo e respectivos planos de ação; ênfase na consulta e participação dos trabalhadores; ampliação do conceito da gestão de riscos e de oportunidades e alteração na nomenclatura do controle de documentos e de registros.
Como principais benefícios que se pode obter com a implementação desta norma podemos destacar a integração dos fornecedores e de novos funcionários ao sistema de gestão da saúde e segurança, o aumento da atenção dos colaboradores e do cuidado na realização das tarefas diárias, redução do improviso que possa gerar risco de acidente, mais disciplina no atendimento aos procedimentos, aos requisitos legais e outros aplicáveis.
A implementação da norma melhora o gerenciamento dos perigos e riscos com planos de ação (prevenção) e estabelece m processo estruturado para análise das causas de acidentes e incidentes e da implementação de ações corretivas e preventivas, promovendo também a identificação e maior aderência à legislação aplicável à Saúde e Segurança do Trabalho.
Além de demonstrar o compromisso da empresa em cuidar da saúde e segurança das pessoas envolvidas com sua operação, a certificação na norma propicia o aumento da confiança e do respeito dos colaboradores e dos fornecedores com a organização.
Auditor das normas ISO e instrutor na Escola Profissional Fundatec
Antônio de A. Cláudio Filho
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia