Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de agosto de 2019.
Dia do Maçom.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigos

Edição impressa de 20/08/2019. Alterada em 20/08 às 03h00min

Movimento incompreendido, ainda

Arlindo Emmel Neto
Desde novembro do ano passado, acompanhamos grupos de pais e alunos de colégios de Porto Alegre, alertados sobre situações que aconteciam junto aos educandários. Assuntos e disciplinas abordadas em sala de aula e outras dependências, para alunos dos ensinos Fundamental e Médio, sem distinção, com novidades e que, até então, eram desconhecidas, preocuparam as famílias, que moveram-se por informações com as direções. Concomitantemente, todos devem lembrar, ainda dentro de uma dessas instituições de ensino, estudantes que participaram de manifestação favorável ao presidente então recém-eleito foram atacados, de forma violenta, por colegas, apoiados por alguns professores e equipes diretivas, que discordavam daquela ação democrática. Diante desses fatos, os quais se tornaram públicos e notórios, sem ter a compreensão esperada por parte das direções, uniram-se a outros tantos pais, de outros colégios e de outras cidades, como foi noticiado. Com a ajuda de pessoas com disponibilidade, que compreenderem a causa, saíram à busca de apoio da sociedade e das autoridades.
Desde novembro do ano passado, acompanhamos grupos de pais e alunos de colégios de Porto Alegre, alertados sobre situações que aconteciam junto aos educandários. Assuntos e disciplinas abordadas em sala de aula e outras dependências, para alunos dos ensinos Fundamental e Médio, sem distinção, com novidades e que, até então, eram desconhecidas, preocuparam as famílias, que moveram-se por informações com as direções. Concomitantemente, todos devem lembrar, ainda dentro de uma dessas instituições de ensino, estudantes que participaram de manifestação favorável ao presidente então recém-eleito foram atacados, de forma violenta, por colegas, apoiados por alguns professores e equipes diretivas, que discordavam daquela ação democrática. Diante desses fatos, os quais se tornaram públicos e notórios, sem ter a compreensão esperada por parte das direções, uniram-se a outros tantos pais, de outros colégios e de outras cidades, como foi noticiado. Com a ajuda de pessoas com disponibilidade, que compreenderem a causa, saíram à busca de apoio da sociedade e das autoridades.
O que era uma preocupação, tomou vulto e reconhecimento de vários setores. Paralelamente, verificava-se que, Brasil afora, situações e fatos semelhantes, ocorriam em inúmeras escolas. Também da existência de um movimento, Escola Sem Partido, que também, de um momento para outro, ganhou uma dimensão nacional. Esses pais atentos, preocupados, zelosos querem ser ouvidos, democraticamente, assim como o são os movimentos contrários. E que recebem, notoriamente, amplos e nobres espaços, além de, muitas vezes, apoio incondicional de muitos jornalistas e meios de comunicação. De outra banda, pensamos que, para os movimentos não continuarem sendo incompreendidos, faz-se necessário, tão somente, e é para isso que lutam, arduamente, que as instituições de ensino, a sociedade, antes de mais nada, os ouçam e os atendam, naquilo que entendem ser simples, que os colégios cumpram o dever constitucional de ensinar as crianças e de que ensinem para o despertar do saber. Outros debates, que acontecem de forma paralela, quanto ao jargão de "não à doutrinação", servem muito mais para venda de jornais, para obterem espaço nas mídias e para jogar uns contra os outros.
Depois de observar, conversar e participar de algumas reuniões, concluímos que, democraticamente, o movimento, ainda incompreendido, tenciona que torne-se compreendido por todos.
Bacharel em Direito, assessor de Gabinete da CAPC/Alergs
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia