Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de agosto de 2019.
Dia do Economista .

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

editorial

Edição impressa de 13/08/2019. Alterada em 13/08 às 03h00min

Pan-Americanos, onde esporte é educação

Quando tanto se fala que o Brasil necessita, para diminuir a sua brutal desigualdade social, de mais educação, é bom lembrar que a prática esportiva para jovens, especialmente, é fundamental na sua formação. Os recentes Jogos Pan-Americanos de Lima, Peru - com organização quase impecável e dois espetáculos lindos, na abertura e no encerramento - provaram, mais uma vez, a importância da prática esportiva como parte integrante da educação.
Quando tanto se fala que o Brasil necessita, para diminuir a sua brutal desigualdade social, de mais educação, é bom lembrar que a prática esportiva para jovens, especialmente, é fundamental na sua formação. Os recentes Jogos Pan-Americanos de Lima, Peru - com organização quase impecável e dois espetáculos lindos, na abertura e no encerramento - provaram, mais uma vez, a importância da prática esportiva como parte integrante da educação.
Muito importante para que a juventude se espelhe na competição foi o fato de que o Brasil teve uma participação histórica em Lima. Na segunda colocação - atrás apenas dos Estados Unidos -, com 55 ouros, 45 pratas e 71 bronzes, totalizando 171 medalhas, o País fez a sua melhor participação na história. Em algumas das conquistas no último dia de competições, o Brasil ganhou medalha de ouro com o basquete feminino, batendo os EUA na final, e com Mayra Aguiar, no judô.
No caratê, os brasileiros conquistaram duas pratas e um bronze. Também ocorreu uma presença feminina exitosa, com 48,7% do total da delegação. São números importantes para servir de exemplo e incutir a prática esportiva regular nos adolescentes, em especial. A juventude tem que estar ocupada com os currículos escolares, mas também com exercícios. É no esporte que se aprende a competir, a fazer esforço, a ter persistência, a manter a disciplina mental e corporal, a saber vencer e, mais ainda, a perder e voltar para tentar melhorar em competições.
Esporte também é saúde, seguindo o antigo - mas sempre atual - provérbio romano: mente sã em corpo sadio.
Os Jogos Pan-Americanos de Lima 2019 mostraram um Brasil em evolução esportiva como jamais antes havia acontecido. Mesmo que em alguns esportes não estivéssemos com a força máxima, em decorrência das competições pré-Olímpicas nas mesmas datas, fizemos bonito e mostramos ao mundo e a nós mesmos que, quando há organização, esforço individual e coletivo, com direções sólidas nas diversas modalidades de uma competição, como foi o caso, os resultados positivos sempre aparecem.
O Brasil tem agora os verdadeiros modelos nos quais os jovens devem se mirar para alcançar objetivos na vida, como dito, com treinamento, esforço, disciplina e persistência. E isso vale não apenas para o esporte, mas é uma lição de vida que servirá também nas carreiras que, mais adiante, moços e moças de agora estarão seguindo profissionalmente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia