Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de agosto de 2019.
Dia Nacional da Saúde/ Farmácia .

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigos

Edição impressa de 05/08/2019. Alterada em 05/08 às 03h00min

Para onde vamos?

Dom Jaime Spengler
O esforço comum para superar a fome e a miséria, para promover a participação de todos nos frutos da civilização conquistados por meio da ciência e da técnica, e para construir maior justiça social é tarefa de todo cidadão que pauta seu viver pela ética e especialmente de toda pessoa de fé, que se esforça para responder aos apelos do Evangelho.
O esforço comum para superar a fome e a miséria, para promover a participação de todos nos frutos da civilização conquistados por meio da ciência e da técnica, e para construir maior justiça social é tarefa de todo cidadão que pauta seu viver pela ética e especialmente de toda pessoa de fé, que se esforça para responder aos apelos do Evangelho.
A situação do desemprego, que atinge número expressivo de brasileiros e o drama da fome que agride a dignidade e a honra de tantos, expressa a necessidade urgente de medidas públicas efetivas, a fim de promover condições de vida para todos.
O contexto socioeconômico empurra não poucas pessoas para práticas ilícitas. Jovens que não encontram possibilidade de formação acadêmica qualificada, que não encontram um lugar de trabalho, muitas vezes, "órfãos filhos de pais vivos", se tornam presas fáceis de gangues e do "dinheiro fácil" proporcionado pelo tráfico de entorpecentes. Consequentemente, estão condenados a uma existência pobre de significado e, não raramente, breve.
Nas periferias geográficas, não são poucas as vilas e os bairros que vivem sob o toque de recolher imposto pelas facções que dominam a área. É necessário reconhecer que os pobres estão condenados por um sistema perverso a se conformarem com a própria situação.
Há uma oligarquia que goza de civilização requintada, enquanto relevantes extratos da sociedade são privados do mínimo necessário reconhecido internacionalmente como indispensável para uma vida humana digna.
Todo ser humano, para viver com dignidade, precisa de alimentação, água, terra, moradia, saúde, energia, trabalho, saneamento básico, escola, lazer, transporte, segurança etc. É a materialidade fundamental da vida humana. São direitos primários para a conservação da vida e direitos comuns de todas as pessoas.
"Nesta confusão, torna-se mais violenta a tentação, que talvez leve a messianismos fascinantes, mas construtores de ilusões. Quem não vê os perigos, que daí resultam, de reações populares violentas, de agitações revolucionárias, e de um resvalar para ideologias totalitárias?" (S. Paulo VI).
Arcebispo metropolitano
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia