Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de julho de 2019.
Dia do Padeiro.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

08/07/2019 - 14h40min. Alterada em 08/07 às 16h15min

Terapia pela escrita

Léo Ustárroz
A terapia pela escrita, writing therapy ou expressive writing, é uma forma de terapia pela expressão, que usa o ato de escrever e processar a palavra escrita como tratamento terapêutico. Nossos transtornos psicológicos decorrem de traumas de eventos passado, devido ao significado que demos a isso. As terapias através da expressão nos permitem reviver aquele evento, para ressignificar e tornar suportável aquela experiência. Ao fazer isso, mudamos nossas emoções frente àquilo, e passamos a viver em paz com aquela experiência até então dolorosa, como se reescrevêssemos a nossa história. A escrita expressiva, como forma de terapia de escrita, tem sido muito estudada e desenvolvida desde os anos 80, e, como tratamento clínico, é uma ciência e submete-se às práticas recomendadas pelos estudos e experiências.
A terapia pela escrita, writing therapy ou expressive writing, é uma forma de terapia pela expressão, que usa o ato de escrever e processar a palavra escrita como tratamento terapêutico. Nossos transtornos psicológicos decorrem de traumas de eventos passado, devido ao significado que demos a isso. As terapias através da expressão nos permitem reviver aquele evento, para ressignificar e tornar suportável aquela experiência. Ao fazer isso, mudamos nossas emoções frente àquilo, e passamos a viver em paz com aquela experiência até então dolorosa, como se reescrevêssemos a nossa história. A escrita expressiva, como forma de terapia de escrita, tem sido muito estudada e desenvolvida desde os anos 80, e, como tratamento clínico, é uma ciência e submete-se às práticas recomendadas pelos estudos e experiências.
Mesmo sem a supervisão de terapeutas ou sem a disciplina indicada em tratamentos já formatados, a atividade de escrever põe o escritor em contato constante com seus sentimentos e emoções já experimentadas, especialmente aqueles segredos terríveis que agitam a alma e geram traumas emocionais, pois é daí que nasce o primeiro impulso — absolutamente emocional — que resultará na criação de um texto. A vantagem é que esses sentimentos são muito mais facilmente registrados numa folha de papel, cujo destino pode ser o lixo, do que contados de viva voz a alguém.
Dessa forma, não há como negar o efeito terapêutico que a escrita exerce sobre qualquer pessoa, escritor ou não escritor, seja ao escrever um romance histórico de mil páginas ou, ao escrever uma pequena crônica do cotidiano em seu diário.
Independentemente de nos considerarmos ou não escritores, a criação de narrativas a partir de nossa história permite um novo olhar e um novo significado das experiências traumáticas pelas quais passamos, por menores e mais comuns que possam parecer. E se, apesar dos efeitos terapêuticos da escrita, alguns escritores ainda nos parecem muito geniosos, podemos imaginar como não seriam se não escrevessem. Então, mãos à obra: “Querido diário, hoje ...”
Empresário e escritor
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia