Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 14/05/2019. Alterada em 14/05 às 03h00min

Investimentos que se perdem

Luiz Carlos Camargo
Vem crescendo, ultimamente, o número de investidores interessados na realização de empreendimentos produtivos nos bairros Humaitá e Navegantes, compreendendo tanto a expansão de empresas já existentes como também a implantação de novos estabelecimentos. Uma das razões para isso, sem dúvida, é a melhoria, ainda que de forma tímida, do cenário econômico nacional decorrente da posse do novo governo e o encaminhamento das reformas, a começar pela da Previdência Social. Outra causa, certamente, é a localização privilegiada da região como verdadeira porta da entrada da cidade e que beneficia-se com obras de grande porte como a expansão do Aeroporto Salgado Filho e a construção da segunda ponte do Guaíba, a que se soma, ainda, a importante âncora representada pela Arena do Grêmio. Diante deste quadro positivo, merece louvor a disposição da prefeitura no sentido de agilizar os procedimentos visando a agilização dos licenciamentos, a exemplo das medidas anunciadas pelo secretário do Desenvolvimento Econômico, Eduardo Cidade, em reunião de trabalho levada a efeito pela nossa entidade. Afinal, não se pode admitir que empecilhos de natureza burocrática continuem retardando investimentos essenciais para o crescimento da região, geradores de postos de trabalho e aumento da arrecadação de tributos. Foi o caso, para citar apenas um, mais recente, do projeto da Lojas Lebes que será instalado na avenida Farrapos com a Sertório, cujo licenciamento, a duras penas, só foi obtido após nove meses de tramitação. Numa época em que a disputa pela atração de empreendimentos cada vez se acirra mais, não é concebível continuar convivendo com esta realidade. Lamentavelmente, esta é uma das razões pelas quais estamos perdendo a corrida do desenvolvimento para vizinhos próximos como Santa Catarina e Paraná.
Presidente da Associação das Empresas dos Bairros Humaitá-Navegantes
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia