Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

09/05/2019 - 03h00min. Alterada em 09/05 às 14h46min

Legítima defesa: cidadania e soberania

Ruy Irigaray
O aumento da criminalidade e da violência no Brasil alcançou níveis alarmantes nos últimos anos em razão de questões sociais e econômicas, mas contribuiu fundamentalmente para esse quadro, o nefasto Estatuto do Desarmamento de 2003. Assim como Maquiavel orientou em 'O Príncipe', o governante jamais deve desarmar seus súditos, pois poderá precisar de seu auxílio, a não ser que tema seu próprio povo. Talvez essa fosse a motivação de Lula e Dilma. O medo e a preparação do território para entregar o País de bandeja aos aliados oportunistas ideológicos. Porém, o País acordou em 2018 elegendo o contraponto à disparate esquerdopata para uma retomada da efetiva cidadania. A legítima defesa, ameaçada pelo governo petista no início dos anos 2000, volta a tomar forma no Brasil. Muitas famílias estão se engajando na causa, bem como esportistas e entusiastas. Esta semana tivemos uma importante vitória em relação a nossa soberania como indivíduos. O decreto presidencial que ajudamos a construir, facilita a compra de armas e munições para atiradores esportivos e colecionadores, libera calibres mais efetivos para a defesa e porte para armas registradas a quem passar nos testes da lei, libera o porte a atiradores. Também aumenta o limite da quantidade de munição anual e também derruba a restrição de mercado sobre o comércio de armas e munições que irá garantir maior tecnologia aos produtos disponíveis à segurança pública e privada. Os defensores da legítima defesa vêm ganhando espaço e tendo voz ativa. A população voltou a ser protagonista das mudanças e recupera sua força na luta pelo bem-
-estar e cidadania. Não se trata apenas de uma vitória do cidadão de bem, termo que se tornou o chavão preferido da esquerda para caracterizar as pessoas que tiveram cassados os direitos de garantir a vida e a propriedade. É a vitória do pai e da mãe que fariam de tudo para defender suas famílias, dos empresários que têm negócios prejudicados pela falta de segurança e punições brandas aos delinquentes, e da sociedade que atua na redução da marginalidade. Em quase cinco meses de mandato, já temos uma realização histórica em benefício do Brasil.
Secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e Turismo e fundador do movimento Armas S.A.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia