Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de abril de 2019.
Páscoa.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 16/04/2019. Alterada em 16/04 às 03h00min

O porto volta a ser alegre

Maurício Fernandes
Depois das obras da Terceira Perimetral, a maior mudança estrutural pela qual Porto Alegre passará será no Centro Histórico. Com orgulho, a prefeitura faz parte disso. A revitalização do Cais Mauá significa uma nova cidade, mais aprazível, com mais lazer, negócios e turismo. São R$ 500 milhões de investimentos privados, gerando tributos municipais, estaduais e federais, na ordem de R$ 216 milhões, para que as pessoas voltem a desfrutar de momentos de alegria no porto, num espaço, de 3,2 mil metros, no qual também haverá 10 praças e ciclovia.  Todos ganham.
Na área social, teremos mais de 28 mil novos postos de trabalho, diretos e indiretos. No setor econômico, a circulação de bens e serviços significa o resgate da economia local. No aspecto ambiental, são R$ 2 milhões e 500 mil em compensações voltadas às unidades de conservação. Os pontos que antigamente recebiam cargas perigosas serão descontaminados, trazendo grandes melhorias ambientais. Além disso, a integração com o parque da Orla, a ser inaugurado em breve, potencializará a beleza do nosso cartão postal. Serão onze mil metros quadrados de área verde.
 Passados 30 anos, é o momento de comemorar. Quando diferentes governos unem forças em prol do cidadão, todos ganham. Foram necessárias diversas licenças e autorizações, tanto estaduais quanto municipais para possibilitar o início das obras. A primeira etapa consiste no restauro dos onze armazéns, os quais terão usos cultural e comercial, com 400 vagas de estacionamento. Depois dos armazéns, será a vez das docas, que deverão ganhar um centro de eventos e três torres - um hotel e dois edifícios comerciais. A terceira fase contempla a região entre a Usina do Gasômetro e o Armazém A6, que deverá contar com centro comercial de dois andares e jardim no terraço. Nosso por do sol nunca mais vai ser o mesmo.
Secretário municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia