Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 16 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 15/03/2019. Alterada em 16/03 às 22h38min

Muito mais do que uma simples venda

Ricardo Diedrich
O varejo é pautado - também - por datas comemorativas. Vitrines temáticas, presentes planejados, público direcionado e promoções compõem boa parte do ano para os lojistas. Por outro lado, o calendário nos lembra de "dias de alguém", como se todos os dias não fossem dedicados a tais perfis. Vide o dia da mulher, que é marcado pelo dia 8, internacionalmente, mesmo todos sabendo que elas fazem a diferença todos os dias nas 24 horas. Mas vale a marca, assim como o dia 15 de março, dedicado aos consumidores. Nós, que vivemos o comércio, estamos sempre com o consumidor em pauta. Recentemente, na National Retail Federation (NRF), maior feira do varejo do mundo que acontece em Nova Iorque, a inspiração foi a maior bagagem.
O desafio destes novos tempos - que mudam a todo momento - é permitir-se abrir a mente para fazer coisas diferentes e aprender a lição de que "a venda deve ser mais do que trocar dinheiro por um produto".
Se existir uma missão que faça conexão com aquilo que o seu consumidor pensa, teremos mais curtidas, compartilhamentos, geração de conteúdo pelos próprios consumidores, que serão a sua principal agência de publicidade.
Há pouco tempo, o tema mais comentado entre os pensadores do varejo era a "morte das lojas físicas", que trouxe muita preocupação e dúvidas a todos aqueles que possuem, principalmente, pequenos estabelecimentos.
Hoje, lojas físicas ganharam um fôlego sem igual, mas com um foco um pouco diferente. Mas como atrair esses consumidores tão diversificados, de tantas gerações, dos mais variados comportamentos, que sabem tudo sobre nossos produtos? Estes que muitas vezes chegam na loja sabendo o que querem, e desejam apenas pegar o produto, pagar e ir embora, sem interferência?
Eis o grande desafio, que passa muito próximo de criar um hub, ou seja, unir serviço ou conveniência, algumas vezes tendo mais do que uma empresa num mesmo espaço físico. Promover eventos que sejam do interesse do seu público alvo, por exemplo, onde seja uma oportunidade para que conheçam a loja, o produto e saiam de lá com a percepção de um lugar onde elas queiram estar e voltar. Aqui estão alguns ingredientes da receita do sucesso e o grande desafio que está nas mãos de cada valente guerreiro e guerreira que são os empreendedores do varejo.
Presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia