Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

12/03/2019 - 01h00min. Alterada em 12/03 às 01h00min

Pet: primeiros socorros exigem cuidados

Lisandra Dornelles
Seu animal de estimação passa por um caso de emergência e é preciso agir com rapidez? Saiba que um atendimento de primeiros socorros, se feito de maneira incorreta, pode agravar a situação. Nessa hora, medicar ou fazer um curativo sem ter conhecimento adequado, ao invés de trazer conforto, tende a comprometer ainda mais a saúde do bichinho. Pets são diferentes do homem e, por isso, reagem de outra forma. Então, procure se acalmar até buscar a orientação de um profissional habilitado e fazer tudo da melhor forma possível. Muitos dos medicamentos que são usados de forma corriqueira em crianças, por exemplo, podem piorar ou até levar à morte nosso pet, assim como muitas plantas ornamentais comuns em alguns lares, que são letais se ingeridas. Alergias são doenças comuns entre cães e gatos.
Por isso, a utilização de iodo, pomadas e sabonetes de forma inadequada, muitas vezes, desencadeia doenças graves, principalmente em gatos. Pomadas em pregas de pele podem piorar lesões, pois geralmente elas ocorrem por alergia e abafamento.
O mesmo se dá em relação aos colírios, que jamais devem ser administrados sem indicação de profissionais da Medicina Veterinária, principalmente os que contêm antibióticos.
Para lavar os olhos, prefira o soro fisiológico. Por falar em antibióticos, o melhor é não os utilizar de forma indiscriminada, até mesmo a fim de evitar resistência por parte dos micro-organismos. Bandagens e curativos somente para proteger o machucado até a visita ao veterinário, que deve ser imediata, pois podem piorar a lesão se mal utilizados e até mesmo causar motivos para amputações. Até produtos usuais, caso daqueles contra pulgas e carrapatos, assim como vermífugos, precisam ser ministrados conforme idade e peso do animal, sob o risco de intoxicação, algumas vezes fatal. Dessa forma, mesmo que você tenha um medicamento em casa, evite utilizar no seu animalzinho sem antes procurar orientação adequada. O bem-estar e a saúde de seu pet agradecem!
Presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária-RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia