Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 03 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigos

Edição impressa de 04/02/2019. Alterada em 03/02 às 01h00min

Plástico pode reduzir as emissões de CO2

Yuki Kabe
Você sabe o real impacto ambiental de todos os produtos que consome na sua rotina? Parece simples, mas essa pergunta move inúmeros pesquisadores. A resposta está na Avaliação de Ciclo de Vida (ACV), que analisa toda a cadeia de valor, desde a extração da matéria-prima até sua destinação final - incluindo as etapas de produção, distribuição e consumo do produto. Foi com base nessa metodologia que o Laboratório de Sistemas Avançados de Gestão de Produção da UFRJ elaborou um estudo que mediu a participação do plástico para uma economia de baixo carbono em diferentes setores da indústria. Revisado pela KPMG, o estudo analisou as emissões de CO2 equivalentes (CO2-eq) evitadas e evitáveis com o uso de plásticos no lugar de outros materiais tradicionais.
O resultado demonstra que o plástico utilizado em segmentos industriais pode atuar como fator de redução das emissões de gases causadores do efeito estufa. O uso de plásticos na frota de automóveis brasileira na última década evitou o equivalente a 126,5 milhões de toneladas de
CO2-eq. Isso equivale ao volume de gases emitido pela República Checa em 2013, quando o país tinha cerca de 10 milhões de habitantes. A substituição de componentes de metais e madeira por plástico torna os carros mais leves, mais seguros e menos poluentes, além de mais econômicos.
Outro exemplo do estudo é a construção civil, em que o plástico confere maior eficiência às tubulações de distribuição de água potável. O programa Minha Casa Minha Vida, que entregou 2,98 milhões de moradias de 2009 a 2016, utilizou tubos de PVC na parte hidráulica das casas, evitando a emissão de 30 kt de CO2-eq por ano - o equivalente a um carro dando 2.908 voltas na Terra. Resistente à corrosão, flexível e de fácil manutenção, o PVC se mostrou mais sustentável.
Esse estudo é importante por mostrar o impacto de diversos produtos "escondidos" na cadeia de produção. É, também, uma forma de chamar a atenção para a importância de se conhecer melhor o processo de produção para que tanto empresas quanto consumidores possam realizar escolhas inteligentes e conscientes.
Especialista em Avaliação
de Ciclo de Vida da Braskem
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia