Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

09/01/2019 - 01h00min. Alterada em 09/01 às 01h00min

Custo Brasil sufoca indústria nacional

Hernane Cauduro
Os brasileiros estão vivendo a expectativa de um novo ciclo de crescimento, mas que somente será viabilizado se o novo governo aproveitar o capital político conquistado nas urnas para rapidamente implementar as reformas estruturantes capazes de tornar o País mais seguro, com mais oportunidades de emprego e desenvolvimento.
Necessariamente, para se obter esse avanço, as reformas deverão ser de estado, e não do governo de plantão, evitando-se repetir erros do passado que tanto penalizaram a nação.
Entre as reformas indispensáveis para a rápida retomada do crescimento está a tributária, a fim de promover a redução do famigerado Custo Brasil ao qual o ministro Paulo Guedes se refere como "bolas de ferro" que retiram a capacidade de competir da nossa indústria.
Para se ter ideia do que vem acontecendo no Brasil, a indústria de transformação, em 1980, chegou a contribuir com 25% do PIB, com uma carga tributária de 24%. Em 2017, baixou para 11% do PIB, e a carga de impostos saltou para 44,5%, segundo dados da Firjan e da Fiesp.
Esta voracidade fiscal retirou grande parte do poder de competição da indústria do Brasil, pois onerou os custos de produzir no País, o que significa arrecadar mais em detrimento de investimentos necessários para garantir escala e maior competitividade.
Por tudo isso, a Abimaq vem buscando interlocução com o novo governo, mostrando a real situação do setor de bens de capital e alertando que antes da abertura de mercado é preciso atacar os fatores que penalizam a produção nacional.
Sem esse cuidado, nosso parque fabril estará ameaçado de sucateamento, com todas as mazelas daí decorrentes em termos de mais desemprego e menos oportunidades de desenvolvimento.
Vice-presidente da Abimaq-RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia