Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de janeiro de 2019.
Dia Nacional do Fotógrafo.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

08/01/2019 - 01h00min. Alterada em 08/01 às 01h00min

O início da solução

Dr. Thiago Duarte
O problema em Porto Alegre não são os servidores municipais, pelo contrário, eles podem ser o início da solução. Porto Alegre está longe do limite prudencial no gasto com servidores, menos de 43%; esse é o número que a prefeitura informou ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) no último período; logo, o problema está na condução da cidade.
A não realização de licitação para comprar insumos de asfalto paralisa as usinas de produção na Restinga e permite a proliferação de buracos por toda a cidade.
Não entregar os documentos para o empréstimo na Caixa Federal levou à perda de mais de R$ 150 milhões de verbas federais destinadas à drenagem. Veremos o reflexo nos meses de chuva com a total falta de drenagem urbana.
Na saúde, pessoas se acumulam internadas no chão no "Hospital Clandestino" Pronto Atendimento da Cruzeiro do Sul enquanto, a menos de cinco quilômetros dali, as secretarias municipal e estadual da Saúde deixaram fechar um hospital com mais de 250 leitos. A gestão caótica da prefeitura, feita por quem não gosta da cidade, não conhece a cidade e não acredita no serviço público e nos servidores públicos, é uma gestão fadada ao insucesso.
Tomara que a cidade de Porto Alegre não seja novamente condenada no futuro a eleger um prefeito que não goste e que não queira trabalhar com os servidores públicos de carreira que guardam a memória e a história da cidade no seu DNA.
Talvez a prefeitura necessite de um comandante que valorize seu corpo técnico para produzir um melhor resultado. A exemplo de João Antônio Dib (PP), um municipário e político, que conhece profundamente a cidade e que respeita a população e os serviços e servidores públicos. Dib é um exemplo a ser seguido.
Fórmulas travestidas de novas - que só levaram a cidade à estagnação e à depressão coletiva - precisam ser desmascaradas e descartadas.
Deputado estadual eleito (DEM)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia