Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 04 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

04/01/2019 - 01h00min. Alterada em 04/01 às 01h00min

Triste Porto Alegre!

Sergio Kaminski
Em 30 de outubro de 2007, a Fifa ratificou o Brasil como país sede da Copa de 2014. Em 31 de maio de 2009, as cidades-sede foram definidas. Entre elas, Porto Alegre! Você sabe o que já aconteceu nas obras públicas prometidas na campanha eleitoral de 2012? Aquele que prometia se elegeu! Nas obras, pouco aconteceu. O prefeito eleito em 2016 nada faz! Somente lamúrias. É uma tristeza! Se você compareceu em alguma palestra de qualquer eleito com show de recursos audiovisuais e visões futurísticas, você foi ludibriado!
Tudo não passou de show de ilusionismo e promessas para ganhar sua simpatia, amainar sua desconformidade e preparar o seu voto na próxima eleição indefeso eleitor... Ainda assim, quando alguma decisão é tomada necessita vencer obstáculos tais quais preguiça, incompetência e falta de comprometimento dos vários compartimentos de um paquiderme doente denominado máquina pública. Um lugar onde ninguém decide nada e ninguém faz acontecer. E todos se mantêm empregados! Onde a legislação fortalece e premia o corporativismo e a irresponsabilidade. Na terra dos caranguejos, chimangos/maragatos e grenalização, a velocidade máxima é a do cágado!
Para dar qualidade ao texto copio a filósofa judaico-russa Alyssa Rosenbaum (1905-1982), conhecida por desenvolver um sistema filosófico denominado Objetivismo: "Quando você perceber que, para produzir, precisa obter autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem não negocia com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos com suborno e influência e não pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, ao contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada e a honestidade se converte em auto sacrifício, então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada".
Engenheiro e cidadão porto-alegrense
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia