Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

26/12/2018 - 01h00min. Alterada em 26/12 às 01h00min

Como eliminar o déficit fiscal?

Paulo Vellinho
É incrível o poder dos que habitam o andar de cima, os marajás intocáveis, pois todos os sofrimentos impostos à sociedade desorganizada pelos 20 anos da esquerda sempre os excluem.
A falta de sensibilidade dos que nos governam é tamanha que mesmo frente à transparência tão decantada em prosa e verso, deixa sempre de lado a transgressão às leis como, por exemplo, o teto que baliza os altos salários do cartel dos bem-aventurados.
É tamanha a desfaçatez e falta de sensibilidade desses senhores que, por exemplo, 28 desembargadores inativos receberam em abril de 2015 uma média de R$ 186.789,00 sendo que um deles, o dr. Osvaldo Moacir Alvarez, recebeu R$ 215.114,20 bruto e um líquido de R$ 211.734,11. A justificativa de todos esses senhores e senhoras foi de que se trata de "direito adquirido" mesmo sendo um produto fruto de uma matemática perversa que tenha capacidade de reduzir as quatro operações em soma e multiplicação. Enquanto isso a média dos habitantes do andar de baixo não chega a R$ 2.000,00 por mês, mesmo somando as maldades desonestamente adquiridas.
Existe apenas uma solução para socorrer a pátria agonizante: daí propomos que "a partir desta data fica estabelecido para todos os servidores públicos concursados ou não (União, Estado e municípios) um empréstimo compulsório a toda remuneração que cumulativamente ultrapasse o teto constitucional, seja a que título for, mais ou menos R$ 40.000,00 mensais.
Com esses recursos que espero convalidados pela Justiça conseguiremos o equilíbrio financeiro que se faz necessário para o ajuste a curto prazo das contas públicas, o que vai permitir que se devolva aos governos a capacidade de investir naquilo que é absolutamente necessário para a retomada do desenvolvimento.
Empresário 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
juliano Duarte da Silva 26/12/2018 16h17min
É uma verdadeira lástima esses senhores ganharem esses valores, esperamos que nossos legisladores eleitos promulguem leis contra essa pratica maléfica na sociedade civil organizada