Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

24/12/2018 - 01h00min. Alterada em 24/12 às 01h00min

Contas milionárias

Paulo Franquilin
Nosso País é "rico" em ter alguns privilegiados que, sem terem renda suficiente, movimentam milhões em suas contas particulares, de integrantes da família ou de amigos próximos.
O caso mais recente foi o do ex-motorista Fabrício José Carlos de Queiroz, que trabalhava no gabinete do deputado estadual do Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, eleito para o Senado Federal nas últimas eleições. A movimentação bancária atingiu, conforme o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), importância superior a R$ 1 milhão, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, sendo que alguns dos depósitos eram efetuados, coincidentemente, quando os funcionários da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) recebiam seus salários. Os assessores do deputado estadual Flávio Bolsonaro, segundo investigação, depositavam parte do que recebiam na conta de Queiroz, visando à criação de uma verba, possivelmente, para ser usada na campanha eleitoral do senador eleito. As explicações dadas até agora não convenceram, nem esclareceram, pois não demonstram a origem e o destino dos valores movimentados pelo ex-motorista e segurança do deputado estadual carioca. Talvez com o surgimento desse e de outros felizardos que, mesmo sem receber grandes quantias, conseguem possuir milhões em suas contas, como o grupo de senadores, os quais terão que explicar os R$ 106 milhões, sem origem definida ou que vieram de partidos diversos, visando a campanhas milionárias dos políticos do PSDB e aliados.
Tomara que, no futuro, os investigadores consigam descobrir de onde saíram e para onde iriam os valores arrecadados pelo ex-motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro e pelo senador Aécio Neves e colegas, pois o que aconteceu na Alerj também ocorreu no Senado Federal. Os valores desviados destinam-se a manter uma máquina política que se alimenta do dinheiro de seus integrantes e assessores para deixar os mesmos políticos nos seus cargos indefinidamente.
Jornalista e escritor
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia