Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018.
Dia Nacional do Ministério Público.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

14/12/2018 - 01h00min. Alterada em 14/12 às 01h00min

Brasil, Ordem e Progresso?

Rodrigo Puggina
Os contrastes e antagonismos do nosso País sequer poderiam ser retratados ou imaginados por surrealistas como Salvador Dalí ou Joan Miró. Transcende ao absurdo a desigualdade de um País que aumenta vertiginosamente e, em apenas um ano, vê a pobreza crescer 4%, passando a ter 55 milhões de pessoas que vivem com cerca de R$ 400,00 por mês, e outros 15 milhões de brasileiros com aproximadamente R$ 140,00. Por mês! Um Brasil desigual, onde se vislumbra um alto funcionário estatal, parado em uma sinaleira, a bordo de seu Jaguar de meio milhão de reais - mesmo local em que se encontra um pedinte, abraçado em um cão, tentando sensibilizar um pouco mais seu benfeitor. Terá grande chance de receber uma esmola, caso superado o medo, o sentimento de importunação, e a visão daquele que acha que o indivíduo que recebe o valor de pouco mais de cem reais de bolsa família é um acomodado e quer viver com este valor até "se aposentar".
Diferente, obviamente, da previdência social de pessoas importantes. Vejamos, por exemplo, a primeira-dama Marcela Temer, bacharel e ex-Miss, com seus 35 anos de idade, casada com o presidente Michel Temer, com quase 80 anos de vida, a qual terá garantida sua pensão por toda vida, após falecimento do esposo, o qual já superou a média da expectativa de vida do brasileiro (que Deus o guarde e conserve).
Todavia, não são apenas de notícias ruins que nosso País desigual viveu nesse último ano. Que o diga a dupla sertaneja dos irmãos Batista, Joesley e Wesley, os quais ficaram dois bilhões e meio mais ricos após a famosa gravação do caso de corrupção no governo Temer. Ou seja, os corruptores conseguem enriquecer ainda mais (pouca coisa), mesmo depois de um tsunami de corrupção.
Uma pena assistir a tudo isso, o País degringolando, sem qualquer perspectiva de melhora. Apesar de ter crescido ouvindo que o Brasil é o país do futuro, estou começando a ter algumas dúvidas. Talvez devêssemos mudar os dizeres da bandeira verde-amarela: Brasil, às ordens, para o meu progresso.
Advogado
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Marcelo Regius Gomes Bastos 14/12/2018 10h16min
Muito oportuno o comentário do colega. Importante analisar o aumento dessa brutal desigualdade do Brasil principalmente pelos dados , ocorridos com o governo que escolheu o lema de nossa bandeira como sua mensagem de marketing.