Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de dezembro de 2018.
Dia Internacional dos Voluntários.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

05/12/2018 - 01h00min. Alterada em 05/12 às 01h00min

Para empreender é preciso ter coragem

Lucas Almeida
Em 2013, eu e mais dois irmãos, Vitor Martinelli e Natália Martinelli, estudávamos engenharia. Com veia empreendedora, decidimos que o momento era oportuno para abrirmos um negócio com foco em prestação de serviço, especificamente na área de construção civil, como reparos e reformas. Seria uma empresa de modelo tradicional em um mercado sem muitas inovações. Para dar início ao negócio foi necessário bastante coragem e empenho. Tivemos que nos desfazer dos poucos bens próprios que tínhamos para assim levantar o valor necessário para concretizar a operação.
Durante três anos, atendemos muitos clientes, o que demandou bastante esforço para aprender, com todos os altos e baixos imagináveis para três jovens empreendedores. A mão de obra sempre foi um problema para a prestação de serviços, e conosco não foi diferente. A gestão de pessoas fez com que tivéssemos muito mais trabalho do que imaginávamos, e por isso vivíamos no meio do fogo cruzado, o que acabava nos consumindo muito e bloqueando até mesmo a capacidade de pensar.
Foi neste momento que resolvemos "pivotar" todo o modelo de negócio e criar uma nova empresa, desta vez, voltada ao formato de startup, e, a partir deste momento, seguimos apenas Vitor e eu, e nasceu, então, a Let Project. O termo pivotar é derivado do inglês to pivot (mudar ou girar) e foi exatamente isso que fizemos, mudamos tudo.
Encerramos as atividades da empresa anterior e investimos em uma plataforma on-line de gestão e captação de clientes para arquitetos, engenheiros e designers de interiores. No início, trabalhamos em meu apartamento, que nem piso tinha, e utilizávamos a internet do vizinho para conseguir a comunicação para captar usuários.
Logo, desenvolvemos um modelo de curso de gestão e empreendedorismo voltado para o setor da construção civil, e mudamos radicalmente a forma de oferecer nossa plataforma, tornando-a a primeira de gestão gratuita para o setor. O curso já foi ministrado para mais de 600 profissionais, e, atualmente, contamos com mais de 3 mil profissionais cadastrados.
Engenheiro e empresário
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia