Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de novembro de 2018.
Dia do Técnico de Segurança do Trabalho. Dia Internacional de Combate ao Câncer.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

27/11/2018 - 01h00min. Alterada em 27/11 às 01h00min

Democracia, instituições e mídias sociais

Marta Leiria Leal Pacheco
No encerramento desta edição do Fronteiras do Pensamento, ouvimos dois intelectuais dedicados ao debate de ideias para além do ambiente acadêmico: o norte-americano Mark Lilla e o brasileiro Luiz Felipe Pondé. Já de início, nota-se a preocupação dos pensadores não só com o conteúdo do que dizem, mas com a forma de dizê-lo, a fim de evitarem interpretações distorcidas. Lilla atribui a derrota do Partido Democrata norte-americano à fixação nas políticas identitárias, em lugar de buscar uma base de solidariedade comum a todos os norte-americanos, qual seja, a cidadania. Afirma ser a favor da imigração.
Mas apenas da legal, enfatiza. Explica que não é contra os direitos das minorias, mas acredita que a comunicação empregada pelos democratas fracassou ao provocar ressentimento em grupos não contemplados pelo discurso, como os trabalhadores brancos, dos principais segmentos de eleitores de Trump. Nota-se que fenômeno similar ocorreu em solo brasileiro. O provocador Pondé não acredita que a democracia possa trazer felicidade. Afirma que uma forma de ajudá-la hoje talvez seja rompendo com qualquer forma de idealização do regime, em que todos seriam felizes e amariam uns aos outros. O que talvez consigamos, isso sim, é conviver sem muitas violências. Nesse cenário, o papel ideal da mídia deveria ser o de informar com filtro, credibilidade, não tomar partido de grupos. E, assim, também se sobrepor à desinformação que prolifera nas mídias sociais. Se as guerras culturais e os grupos identitários são muitos, a democracia é um regime que exige pessoas maduras. Somos todos cidadãos e necessitamos aprender a conviver com pessoas com as quais não concordamos. Daí a importância do respeito ao outro, que inclui a educação doméstica, o fortalecimento dos poderes e das instituições, em um sistema de freios e contrapesos.
É preciso cuidar desses atributos. Para a própria sobrevivência do Estado Democrático de Direito.
Procuradora de Justiça
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia