Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

20/11/2018 - 01h00min. Alterada em 20/11 às 01h00min

Terceiro turno ou democracia?

Charles Kermaunar
As eleições no Brasil têm dois turnos. No segundo, os candidatos majoritários gozam até do mesmo tempo de televisão, para facilitar a equidade na apresentação de suas propostas.
Paira, contudo, um sentimento de que haverá um terceiro turno. Parece que as grandes questões nacionais foram esquecidas, pouco discutidas, para além de toda a bagunça que as fake news imprimiram nesta campanha eleitoral, embora sempre tenha havido boatos eleitorais. A chamada democracia digital também nos fará amadurecer com seus vícios. Quem fará o terceiro turno é cada cidadão que defende a democracia, com o Estado de Direito, através seus freios e contrapesos funcionando constitucionalmente, com a imprensa livre, as manifestações virtuais e de rua. Essa é a beleza da democracia!
A continuação da discussão sobre o que é de todos: o Brasil, mesmo que tenhamos grupos cada vez mais segmentados e seja cada vez mais difícil criar consensos e pactos de longo prazo.
Nossa democracia ainda é jovem, mas, precisa ser defendida e para isso há a liberdade de expressão. Que a sociedade civil reaja com firmeza contra o totalitarismo, tenha ele qualquer cor ou bandeira. Por isso, monitorar os governantes não é terceiro turno. É o que é natural na democracia. É preciso reconhecer a derrota eleitoral e participar, fiscalizar, não ser omisso. Ainda haverá resquícios das farpas trocadas na internet. Mas, bola para frente. Depois de teclar "confirma", o cidadão precisa teclar muitas vezes "pesquisar", "enviar", "comentar" e "entrar neste grupo", não do terceiro turno, mas, da democracia.
Cientista político e estudante de Teologia
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia