Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de novembro de 2018.
Dia do Hoteleiro.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

09/11/2018 - 01h00min. Alterada em 09/11 às 01h00min

Meu filho estudou no Rosário

Ademir José Wiederkehr
Sou pai de um ex-aluno do Colégio Marista Rosário e só mesmo estes tempos de ódio, fake news, intolerância e manipulação da mídia explicam a revolta de alguns pais diante da manifestação democrática e pacífica contra Bolsonaro, que um grupo de estudantes promoveu no intervalo do dia seguinte ao da sua vitória nas eleições. Um dia depois, estudantes favoráveis ao presidente eleito também se manifestaram, porém em número bem menor. Quando meu filho lá estudava, há alguns anos, até 2007, nunca ouvi falar em "professores doutrinadores". Havia, sim, educadores qualificados, bem preparados, dedicados e comprometidos em ensinar e formar cidadãos. Sou imensamente grato ao Rosário pela educação e pelas lições de vida que o guri aprendeu.
Se ele fosse hoje aluno, eu respeitaria a sua decisão de participar ou não de protestos. A juventude não pode ser indiferente, mas questionadora. Quero aproveitar para elogiar a direção da escola, que garantiu o respeito, a pluralidade e a liberdade de expressão. Assim é que se educa! O assunto foi discutido em audiência pública, realizada na Câmara Municipal de Porto Alegre. A iniciativa foi de apoiadores do projeto "Escola Sem Partido", fomentado por movimentos, candidatos, parlamentares e partidos de direita, como PP, DEM e Novo, dentre outros.
Ainda bem que a maioria dos presentes se posicionou a favor de manifestações políticas dos alunos nas escolas, valorizando a liberdade e a democracia e protestando contra esse projeto descabido e retrógrado. Cada vez mais fica visível que os defensores do Escola Sem Partido possuem partidos e são de direita. O que eles querem é intimidar e censurar os professores, desmontar a educação de qualidade, amordaçar a liberdade de opinião, impedir que os estudantes formem consciência crítica da realidade e implantar o pensamento único nas escolas. A educação deve ser livre, democrática e transformadora. Calar jamais!
Bancário e jornalista
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia