Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 01/11/2018. Alterada em 01/11 às 01h00min

Professor de negócios: esquerda e direita?

Alex Pipkin
Tenho sido constantemente questionado por alguns estudantes. Como pode um professor PhD, e inteligente como tu, ser de direita? Simplisticamente, respondo que minha área de atuação é gestão e negócios. Discuto teorias, práticas e experiências para que empresas ganhem mais dinheiro nos mercados reais. Reitero, lucro é bom, moralmente honesto e necessário! Completo, afirmando não ser professor de história, sociologia, antropologia...
Fato inegável é que universidades públicas e privadas e parte de seus professores no Brasil mergulharam, profundamente, nos mares de ideologias pregadoras de mais igualdade e liberdade, as ditas socialistas. Nas universidades cristãs e jesuítas, supostamente fiéis à doutrina cristã, em tese, têm-se o encorajamento e promoção de certa ortodoxia do cristianismo evangélico entre os jovens. Porém, é interessante notar que pesquisas idôneas em outros países (desconheço no Brasil) descobriram que estudantes, ao saírem das universidades, ficavam mais céticos em relação à ortodoxia cristã do que aqueles que estavam começando nas instituições de ensino. Egressos passaram, inclusive, a se interessar em conhecer outras crenças.
Nada estranho que haja propagação desses conceitos e ideias no meio e naqueles que estão sendo ensinados a pensar dentro de uma determinada visão.
Nada espantoso que em razão da homofilia - que expressão fantástica, homo! - os semelhantes, além de se atraírem, tendem a desencorajar a dissidência. A psicologia básica de grupo sugere que quando um grupo de pessoas é homogêneo em suas crenças, isso acaba por influenciar os outros a "entrarem na linha". Se ser de "direta" é defender o Estado empreendedor, a livre iniciativa, a livre concorrência e a meritocracia, não sou de direita. Sou, figurativamente, neste mote, de extrema-direita! Não há liberdade e prosperidade em regimes de inspiração marxista.
Professor e consultor empresarial
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia