Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

10/10/2018 - 01h00min. Alterada em 10/10 às 01h00min

Lula fez isso!

Roque Carlos Ritter
Seria possível um homem tão pouco letrado que fala "futucar" ter o domínio de conceitos, ainda que vago, sobre riqueza pública liquida, riqueza estrangeira bruta, taxa de remuneração do capital? Pois um tal cidadão chegou a presidência de nossa desafortunada Nação e fez coisas que até Maquiavel desaprovaria. Primeiro, vociferando contra os "gringos", pagou a dívida externa que custava a bagatela de 5% a 7% de juros anuais. Fê-lo para não ter de dar satisfação ao FMI, pois não satisfeito com a escorchante carga tributária a jorrar para os cofres, nem tão públicos, pretendia pôr em pratica o plano irresponsável de tomar empréstimo e mais empréstimo da banca privada a fim de engordar o fluxo de recursos a sua populista disposição, para poder "fazer mais" - e põe mais nisso - do que a arrecadação tributária permitia. Assim fez, e a dívida pública saltou de 700 bilhões em 2003 para perigosos 3 trilhões já em 2015 então remunerada a juros de 13% ao ano, mais que o dobro da dívida externa tão obsequiosamente paga.
Com um PIB estimado em 7,045 trilhões e dívida pública de 5,254 trilhões em 2018, Lula conseguiu "futucar" um perigoso precedente: a proeza de "construir " uma riqueza pública negativa. Sem falar que o senhor Luiz Inácio propiciou a maior concentração bancária dos últimos 70 anos dando um tiro de misericórdia na saudável concorrência do mercado, o deplorável daquela façanha foi que seu governo transferiu para os bancos privados uma considerável parcela da riqueza nacional, mais de 50%, dinheiro que apenas serve para enriquecer o setor e retirar recursos da produção de bens. Além de devermos essa fortuna para os bancos privados pagando juros altíssimos variando entre 14% e 6,5% ao ano, e não estão disponíveis para financiar o setor produtivo, criou-se com isso, indiretamente, pesado tributo a ser pago pelo povo brasileiro, adicional aos já existentes.
Contabilista aposentado e advogado, Ivoti/RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia