Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de outubro de 2018.
Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa. Feriado nos estados do Amapá, Roraima e Tocantins.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

05/10/2018 - 01h00min. Alterada em 05/10 às 01h00min

A Constituição e o SUS

Renato José de Lima
Apresento minha experiência com relação ao atendimento do Hospital de Viamão, contrariando, em alguns pontos, o relato do senhor Antônio Carlos Côrtes no seu artigo do Jornal do Comércio, edição de 02/10/2018. O referido cidadão passou apenas dois dias em apenas uma ala do hospital, muito diferente de minha família que passou do dia 6 de fevereiro de 2018 até 15 de março de 2018 naquele hospital. Minha mãe, de 92 anos, foi atendida na emergência por fratura no fêmur. O atendimento na emergência, conclui-se em algumas horas. É um setor, que mesmo diante da carência de recursos humanos, demonstra eficiência e cordialidade.
No entanto, em outras áreas não funciona da mesma forma. Minha mãe ficou aguardando cirurgia durante 36 dias no quarto, tendo que ter um familiar dia e noite para acompanhá-la. Após a cirurgia ela foi liberada em três dias. Durante esse tempo a primeira visita de médico só ocorreu no dia 19 de fevereiro, até marcar e remarcar a cirurgia. Muita falta de informações e de comunicação interna.
No mesmo quarto estavam mais duas idosas nas mesmas circunstâncias. Considerando-se apenas um quarto hospitalar em que as pessoas ficam hospedadas todo este tempo, qual o custo desnecessário do SUS? E se forem considerados outros quartos do estabelecimento? Concordo que o sistema de emergência seja eficiente, mas o cidadão não visitou o pós-atendimento emergencial, onde ficam os pacientes aguardando a continuidade do atendimento em macas nos corredores, incluindo os familiares que devem acompanhá-los. Eu vi isso no dia 19 de setembro quando tive que retornar ao mesmo local. O autor do artigo comprou a ideia do então presidente Lula, que quis vender ao presidente Obama que o SUS era o melhor sistema do mundo, mas ele mesmo nunca usou após entrar no meio político. Ressalto que o SUS poderia ser um sistema exemplar se tivesse multiplicados seus recursos humanos e financeiros. Enalteço sempre a eficiência e cordialidade das pessoas que dão atendimento, mas que são insuficientes e mal remuneradas.
Contador
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia