Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de outubro de 2018.
Dia do Nordestino e dia Nacional do Combate a Cartéis. Feriado nos EUA: Columbus Day.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 02/10/2018. Alterada em 02/10 às 01h00min

Brasil: o futuro distante!

Paulo Vellinho
A proximidade de pleito eleitoral de 7 de outubro e o bombardeio da propaganda dos candidatos no rádio, na televisão e nas redes sociais, cujo teor, via de regra, é de baixíssimo nível, que mais me parece uma "briga de bugios" sem conteúdo, me faz lembrar o episódio dos anos 1970 em que Pelé, ao ser questionado sobre a decisão dos governos militares de suspender eleições diretas para cargos do Executivo, afirmou que o brasileiro não sabe votar.
É claro que tal declaração vem valendo críticas acerbadas ao maior jogador do mundo até os dias de hoje pela óbvia tentativa de justificar o golpe que tal ato representou para a democracia brasileira. Mas, quanto à sua avaliação sobre a capacidade do nosso eleitor de escolher os melhores candidatos, parece-me que Pelé não estava tão distante da verdade. Na minha concepção, uma verdadeira democracia pressupõe uma sociedade homogênea em termos, principalmente, de saúde física, mental e educação, na qual o voto não seja obrigatório como condição para que possa eleger os candidatos mais qualificados. Não é o que acontece no Brasil - basta ver o padrão médio dos nossos políticos, quase sempre demagogos alardeadores de promessas irrealizáveis e, muitos deles, corruptos, além de incapazes de distinguir a verdade da mentira, impunemente... Reiteradamente.
Diante desse quadro, infelizmente, vejo com ceticismo o resultado das próximas eleições, o que me preocupa profundamente, tendo em vista a extrema gravidade da situação nacional que está a exigir a adoção de medidas profundas de ajuste fiscal a fim de impedir o calote que analistas de todas as tendências projetam para ocorrer num prazo de quatro a cinco anos. Meu temor é que tal postergação possa resultar em uma convulsão social... Tão desejada pelos discípulos de Gramsci e Lênin.
Empresário
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Pery Sommer Pereira 08/10/2018 10h35min
Plenamente de acordo com o Ilustre JOVEM-VETERANO Dr.Paulo Velhinho. Nos resta torcer para que "Com os novos bons ventos do porvir venham também NOVOS E BONS TEMPOS PRA SE VIVER.