Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de setembro de 2018.
Dia do Trânsito.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

25/09/2018 - 01h00min. Alterada em 25/09 às 01h00min

Setembro Dourado

André Brunetto
O mês de setembro traz um importante alerta. É o mês de conscientização sobre o câncer infanto-juvenil. Cerca de 2% de todos os tipos de cânceres no mundo ocorrem na faixa etária pediátrica e mais de 12 mil crianças e adolescentes serão diagnosticados de câncer no Brasil nesse ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). A doença representa a primeira causa de morte (7% do total) entre crianças e adolescentes de um a 19 anos, em muitas regiões do País. Por esta razão, se faz necessário também chamar a atenção para a importância de investimentos em pesquisa, com a finalidade de identificar tratamentos mais eficientes. A oncologia pediátrica é uma especialidade carente de recursos humanos e financeiros para viabilizar tratamentos adequados à maioria dos pacientes. As causas passam por escassez de recursos na maioria dos hospitais do País, pelo diagnóstico tardio devido à dificuldade para encaminhamento dos pacientes para centros especializados e também por fatores culturais como a falta de informação. O benefício do conhecimento científico atualizado no nosso país ainda não consegue chegar à sociedade de maneira objetiva. O cidadão comum desconhece o que é realizado dentro dos centros de pesquisa e dos laboratórios das universidades. Essa divulgação não depende apenas da comunidade, mas também dos governos e dos meios de comunicação. Compartilhar novos conhecimentos gerados por pesquisas científicas tem sido um dos grandes propósitos do Instituto do Câncer Infantil nos últimos 25 anos. Diante das limitações de recursos públicos e privados, o ICI segue buscando alternativas através de parcerias com a iniciativa privada e de projetos competitivos em editais de órgãos nacionais e internacionais. Agora, com o seu laboratório próprio, haverá a ampliação das linhas de pesquisa já existentes, aumentando o número de estudos com ênfase na identificação de tratamentos inovadores, permitindo aumentar as chances de cura para os pacientes. Neste mês de setembro, o ICI procura mobilizar a sociedade para apoiar as ações que têm na sua essência dar a cada criança e adolescente, as melhores oportunidades para vencer a doença.
Médico, coordenador de Pesquisas Científicas do Instituto do Câncer Infantil
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia