Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

editorial

Edição impressa de 10/09/2018. Alterada em 10/09 às 01h00min

Implicações da reoneração na folha de pagamentos

Quando tantos reclamam da excessiva carga tributária sobre diversos setores produtivos, eis que o governo federal, desde 1 de setembro, voltou a onerar a folha de pagamento de 70% dos setores da economia antes isentos. Ora, está mais do que claro que esta ação terá forte impacto nestas empresas. Trata-se do que foi classificado como a reoneração da folha de pagamentos.
Também é mais do que sabido que para as empresas - especialmente nesta época de vendas baixas - a notícia não é nada positiva. É que ela representará um aumento dos custos tributários, o que faz com que o ambiente para investimento no Brasil se torne mais desinteressante. O governo necessita recuperar receitas e assim estabelece medidas como essa.
Para críticos da reoneração, a medida poderá até mesmo ocasionar demissões, a última atitude que a economia nacional precisa neste momento, pois temos 12,9 milhões de desempregados. Importante lembrar que as empresas que forem excluídas da desoneração da folha voltam a recolher a Contribuição Previdenciária (INSS) sobre a folha de pagamentos e não mais sobre a receita bruta. Até 31 de dezembro de 2020 as alíquotas da Cofins-Importação ficam acrescidas de um 1%, na hipótese de importação dos bens. Trata-se de correção técnica, tendo em vista que a desoneração da folha vigorará até 31/12/2020. Evidentemente que o governo brasileiro tem muitos gastos.
Porém, em países como Suécia, Suíça e Noruega os impostos são altos, mas o tratamento dado aos recursos públicos é sério e muito diferente. Estados Unidos, Japão e Irlanda estão no topo do ranking dos países que melhor aplicam os tributos em qualidade de vida aos cidadãos. É o que aponta o Índice de Retorno de Bem-Estar à Sociedade (Irbes), elaborado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).
Quando a carga tributária passa de 20% do PIB, começa a afetar todo um sistema, gerando desmotivação social, prejudica o bem-estar e até o estado psicológico das pessoas.
O pior é que o contribuinte brasileiro paga mais impostos indiretos, ou seja, aqueles em que o imposto está incluso no valor da mercadoria. Das ligações telefônicas que fazemos, 92% do custo são de impostos, 56,25% dos medicamentos, 60% do óleo de soja e 85% da conta de luz. Convenhamos, é um absurdo. O problema é que as fórmulas podem embevecer quem as jogou no caldeirão das vaidades e, logo adiante, serem esquecidas. A carga tributária continua alta, confusa e sobre o consumo, muito pouco sobre a renda. E quando incide sobre a renda tira muito mais dos assalariados e das empresas regularmente trabalhando. É injusto.
O fato é que os candidatos a presidente da República têm que focar mais sobre como simplificar a máquina burocrático-administrativa - sem frases de efeito e mirabolantes, mas baseados na realidade e em um processo gradativo, equilibrando receitas com despesas mês a mês.
O cipoal tributário obriga conglomerados empresariais a decifrarem, todos os meses, como honrar os compromissos. Alguns mantêm equipes para alinhavar, preencher formulários e os documentos de arrecadação para cumprir obrigações fiscais com a União, estados e municípios.
Mas, se alguém pensa que isso impede sonegação em alguns pontos, mesmo que isolados, engana-se. Seguidamente ações identificam fraudes por todo o País. Empresas de fachada, as agora populares "laranjas", servem para ludibriar e não pagar tributos. Então, são prejudicados os que cumprem as suas obrigações, às vezes com muito sacrifício. É uma injustiça que não pode continuar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
MARIA CEZARINA DE SOUSA 11/09/2018 11h10min
É o país sugando a si mesmo.n