Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de agosto de 2018.
Dia do Nutricionista.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Alterada em 31/08 às 01h00min

A fome no mundo

Luis Carlos Bernardes
Fala muito bem quem lembra que geralmente são os pobres que elegem os governantes mas, depois, quando esses estão no poder, os pobres a eles não têm acesso.
É uma verdade. Geralmente, são os mais articulados, poderosos e ricos os que entram nos palácios, sejam nos municipais, nos estaduais ou no federal, em Brasília. Não é culpa desse ou daquele governante, é a tradição, o protocolo e a falta de intimidade dos pobres com o poder e a sua incômoda posição de pedintes, geralmente.
No entanto, todos devem se esforçar para que o Brasil e o mundo consigam diminuir, pelo menos, a pobreza que grassa no planeta. A Organização das Nações Unidas (ONU) informa que o número dos famintos no globo chega a um bilhão de pessoas, em um total de seis bilhões de terráqueos. É muita gente sem ter o que comer. Isso tem que acabar ou, pelo menos, ser bastante minorado. Quem passou fome deve saber disso.
Aliás, passar fome é difícil para a maioria, que apenas sente vontade de comer, em cidades como Porto Alegre. Porém, ter fome, ver as horas passando e não mastigar e engolir um alimento é uma tortura que leva à doença e à morte, inexoravelmente. As fotos de crianças esquálidas nos braços de suas mães na África são a maior prova disso. E isso tem que acabar.
Engenheiro-agrônomo
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia