Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de julho de 2018.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Edição impressa de 24/07/2018. Alterada em 24/07 às 16h44min

A hipocrisia do canudinho

LUIZA PRADO/JC
Maurício Fernandes
Muitos conhecem o conto do marido traído que, disposto a fazer cessar a traição da mulher no sofá da sala, tomou providência infalível: se desfez do sofá. A comparação grosseira é como enxergo a luta desenfreada contra o vilão do mês: o canudinho de plástico. Útil por cerca de 10 minutos e degradador por 450 anos, o canudinho não resiste a qualquer mínimo argumento cuja sustentabilidade esteja presente. Evidente que não há razão alguma para manter no mercado algo tão desproporcional se sujeito a qualquer cálculo de custo x benefício.
Mas a hipocrisia a que me refiro no título está no foco escolhido. Dito de outra forma, quem se importa com a sacola plástica? Com os copos plásticos? E a cultura do descartável? No Brasil, cerca de 1,5 milhão de sacolinhas são distribuídas por hora, segundo dados disponibilizados no site do Ministério do Meio Ambiente. A ONU, não por acaso, pautou o presente ano para combater esse material que não dissolve, o plástico. O mundo produz hoje 20 vezes mais plásticos do que na década de 1960. Segundo a agência da ONU, cerca de 8 milhões de toneladas desse material vão parar nos oceanos todos os anos.
A sustentabilidade nos proíbe de tomar decisões apenas pelos empregos e receita gerados, na medida em que a variável ambiental e social deve, também, considerar a tomada de decisões da indústria, governos e sociedade. A coerência e responsabilidade intergeracional nos exige que o processo de tomada de decisão seja coerente, eficaz e eficiente, ao invés de simpático, lúdico e performático. É chegada a hora de a sociedade, com ou sem leis, adotar posturas sustentáveis visando um modo de consumo absolutamente sem desperdícios e austero.
A simples proibição do canudinho não mitigará os efeitos nefastos no nosso combalido planeta. Efeito maior surtiria com a abolição do plástico descartável na vida das pessoas, a começar com as sacolas plásticas e embalagens desnecessárias.
Secretário do Meio Ambiente e da Sustentabilidade de Porto Alegre
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
JORGE MACHADO 25/07/2018 09h51min
Entendo a abordagem do canudinho, não como o vilão do momento, mas com a ideia de mostrar que um objetivo que as vezes se passa despercebido pela maioria, pode ter um impacto enorme no nosso meio ambiente. Isso pode ajudar a perceber a gravidade de outros tantos, como a sacola, o copo, etc... Com a proibição podemos abrir caminho para desenvolvimento de soluções mais sustentáveis.