Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de julho de 2018.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

19/07/2018 - 01h00min. Alterada em 19/07 às 01h00min

Venha para a reunião do Condomínio Brasil

Nilton Neco
O condomínio é grande. Igual a outros, tem gente de todo tipo. Mas, diferente de todos, há duas peculiaridades.
Primeira: os elevadores. São 264 sociais e um de serviço. Nos elevadores sociais, a lotação é de, no máximo, duas pessoas por vez. De preferência, com o mesmo sobrenome. Ele vai da garagem até as coberturas. No elevador de serviço, não há lotação máxima. Vale até gente pendurada do lado de fora. Mas não tem problema, ele não sobe muito: vai do subsolo ao térreo. Segunda: os apartamentos. São alguns milhões de um quarto e centenas de coberturas. É nesse incrível Brasil que a reunião de condomínio tomou importantes decisões onde valeu a opinião da maioria, de três ou quatro, contra a minoria de milhões. Ali se decidiu que na assembleia do sindicato vale a redução de salário e jornada, aprovar PLR, aprovar pauta de reivindicação, aprovar todo o convênio coletivo, mas, atenção, não vale para o desconto.
Das coberturas, não se enxerga o motivo do desconto. Tirar algo dos trabalhadores? Não permitiremos. Dos amplos elevadores sociais ecoa um grito: tirem os sindicatos do nosso condomínio! Do subsolo fica difícil de enxergar o que está acontecendo. Apenas pelas notícias que descem pelos elevadores sociais, passam pela casa de máquinas e chegam quentinhas aos quartos.
Nesse continental condomínio, há muitos comerciários. Por anos, eles tiveram morada segura no Sindec. Lá, não se permitia puxar tapete, jogar direitos pela janela e, muito menos, bater a porta na cara da dignidade.
Agora, querem trocar a fechadura e trancar essa porta. A nova chave ficará na cobertura. Claro, um por um dos trabalhadores, dos condôminos, poderá subir para pedir a chave, mas pela escada. Lá em cima, sozinho e sem ar, talvez não se ouça sua voz. Aqui debaixo, com o que nos resta de fôlego, gritamos: onde está o síndico do Condomínio Brasil?
Presidente do Sindec-POA
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia