Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de julho de 2018.
Dia de Proteção às Florestas .

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

17/07/2018 - 01h00min. Alterada em 17/07 às 01h00min

Momento Venezuela

Estevão Leuck
Prateleiras vazias, filas quilométricas e uma total incerteza do dia seguinte! Esse foi o cenário no ápice dos dias tensos que o Brasil viveu no final de maio e que são rotina no vizinho país chamado Venezuela.
Literalmente ficou provado que "sem caminhão o Brasil para", mostrando o alto custo que a categoria paga para trabalhar, com combustível caro, IPVA, seguro, pedágios e as péssimas condições das estradas e o roubo de carga.
Os caminhoneiros não foram ouvidos pelos nossos governantes, que se recusam a cortar na carne o alto custo de uma máquina pública paquidérmica. Desta vez, no entanto, perderam a queda de braço diante de uma paralisação de proporções gigantescas e em nível nacional. Por fim as coisas se encaminham para a normalidade e a União terá um baque na arrecadação, com o Ministério da Fazenda lamentando os bilhões que deixarão de ser arrecadado com a redução de impostos. Mas em nenhum momento o governo fala em reparar os prejuízos que os brasileiros tiveram com esse evento, em especial as empresas que atuam com perecíveis e viram boa parte de sua produção se perder nesse confronto.
Ainda vivemos um momento recessivo onde principalmente os pequenos negócios andam no fio da navalha e a perda de um terço do mês sem produção pode significar o fim das atividades. Então, fica uma reflexão quem vai pagar essa conta?
Empresário
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia