Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 03/07/2018. Alterada em 03/07 às 01h00min

Mobilidade no Brasil

Marcelino Pogozelski
Definitivamente, qualquer oportunidade que surge, no Brasil, para lesar o nosso País ou o nosso cidadão é tratada pelos tecnocratas como normal ou casual, mas nunca intencional. Estou me referindo ao nosso metrô, que está sofrendo sérios problemas técnicos com potencial ameaça e prejuízo ao usuário, pois as 15 composições novas estão extrapolando o orçamento da empresa, em razão de defeitos concebidos na fabricação. Não aparece nenhum executivo da Trensurb S.A. para dizer ao público o que será feito para deixar os trens em condições de atenderem à população de forma segura e eficiente!
Desde de 2017, tenho lido que os rodados dos novos trens são incompatíveis com a bitola da linha; com qualquer variação de dilatação nesta, poderá haver descarrilamento e acidente.
Com uma pequena dose de seriedade, nossos governantes achariam várias razões para investirem em transporte ferroviário, metrôs, trens, VLTs, etc., pois esses são eficientes em qualquer país do mundo, menos no sistema colonial brasileiro. Vivemos uma forma contemporânea sutil e criminosa de dominação, em que nosso País está impedido de se desenvolver em vários setores, como energia, tecnologia e principalmente nos transportes que são o motor da economia. Nosso conhecimento nos permite dizer que há lugar para todos, a matriz de transporte brasileira é uma das maiores do mundo, em razão da extensão territorial do nosso País.
O monopólio do transporte só agrada a um grupo, e a perversidade no custo Brasil do frete enriquece os grupos dominantes com a complacência de nossos governos, jogamos bilhões de reais fora com essa vergonhosa "estrutura de mercado"!
O Brasil, há muito, deixou de ser o "país em desenvolvimento", perdemos riquezas e investimentos enquanto enriquecemos nossos dominadores e colonizadores há meio século.
Presidente do Sintran
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Celso Pereira dos Santos 03/07/2018 09h36min
Para esclarecer. Os problemas dos trens são tão greves, que não podem ser utilizados e dificilmente voltarão a circular. Basta solicitar uma recente análise que os técnicos elaboraram considerada uma informação sigilosa.