Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de junho de 2018.
Dia da Liberdade de Imprensa.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 08/06/2018. Alterada em 08/06 às 23h45min

A paralisação e a reforma tributária

Yeda Crusius
O Brasil reúne duas características que, somadas, geram uma série de atrasos: o paternalismo e o populismo. Governos são responsáveis por financiar tudo. Como consequência, temos uma altíssima carga tributária e, ao mesmo tempo, pouco retorno em qualidade de serviços públicos. Chegamos ao limite. Não há como custear educação e saúde universais e gratuitas tendo que, ao mesmo tempo, bancar eleições, subsídios a empresas e quitação da dívida pública - que atingiu 70%, um dos mais altos patamares do mundo. Esse é o reflexo acumulado de gastos mal feitos e sem os recursos correspondentes.
Em outras palavras: o País é um excelente arrecadador, mas um péssimo gastador. Eis mais uma herança maldita dos governos do PT, que expandiram em 421,4% os gastos obrigatórios do orçamento, graças ao aumento de salários e aposentadorias.
Sem previsão de receitas para esse crescimento demagógico, a "solução" foi subir a arrecadação e diminuir os investimentos. O resultado é uma Nação em frangalhos, com a Previdência esfacelada pela expansão do número de aposentados, estradas sucateadas e saúde pública em crise. A mobilização dos caminhoneiros apresentou a população à realidade.
As pessoas, que não aguentam mais elevações no preço da gasolina, perceberam que impostos federais e estaduais representam 45% do custo de um litro. Com isso, apoiaram maciçamente o movimento, até ocorrer a infiltração de grupos que fizeram uso político da crise. As gigantescas consequências econômicas da paralisação ainda estão sendo aferidas.
O País não pode ficar refém de uma malha viária ineficiente e frágil. Por isso, é essencial trazer de volta as ferrovias, o que demandará longo tempo e altos investimentos. Para o quanto antes, necessitamos de uma reforma tributária que acabe com os desequilíbrios e injustiças do atual sistema. Que desafogue o sistema produtivo e estabeleça prioridades nos gastos públicos. O Brasil precisa voltar a investir com critério e avançar rumo a um novo tempo.
Deputada federal e ex-governadora (PSDB)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia