OLÁ, ASSINE O JC E TENHA ACESSO LIVRE A TODAS AS NOTÍCIAS DO JORNAL.

JÁ SOU ASSINANTE

Entre com seus dados
e boa leitura!

Digite seu E-MAIL e você receberá o passo a passo para refazer sua senha através do e-mail cadastrado:


QUERO ASSINAR!

Cadastre-se e veja todas as
vantagens de assinar o JC!


Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMENTAR |
AGRO Notícia da edição impressa de 03 de Junho de 2022.

Município de Campestre da Serra busca reconhecimento estadual por conta da produção de amoras

Agências
Os secretários de Administração, Tesio Fernandes, e da Agricultura, Tairo Balardin, entregaram ao deputado Sergio Turra (PP) uma série de informações que dão suporte a proposta de um projeto de lei que estabelece Campestre da Serra como a capital gaúcha da amora. Dois produtores da cidade representam a comunidade de São Manoel que concentra 90% da produção de amora no município. A ideia que a sanção dessa lei ocorra até novembro, quando será realizada a primeira festa municipal da amora.

Os secretários de Administração, Tesio Fernandes, e da Agricultura, Tairo Balardin, entregaram ao deputado Sergio Turra (PP) uma série de informações que dão suporte a proposta de um projeto de lei que estabelece Campestre da Serra como a capital gaúcha da amora. Dois produtores da cidade representam a comunidade de São Manoel que concentra 90% da produção de amora no município. A ideia que a sanção dessa lei ocorra até novembro, quando será realizada a primeira festa municipal da amora.

 O cultivo de amora em Campestre da Serra teve início com seis produtores. A expansão da cultura começou a partir de 1996 com a participação da empresa Italbraz. Atualmente são cerca de 150 produtores no município e uma área cultivada de 100 hectares.

No período da colheita a cultura emprega mais de mil pessoas. De acordo com a secretaria da Agricultura, em 2021, foram colhidas 1.500 toneladas da fruta na cidade.

O secretário Tairo Balardin acrescenta que a previsão até 2023 é de um acréscimo na produção passando para duas mil toneladas. A produtividade média é de 15 mil quilos/hectare. No ano passado, a amora gerou uma receita bruta de R$ 8 milhões ao município.

Campestre tem capacidade para estocar em câmaras frias em torno de 600 mil quilos. As variedades mais cultivadas são de 95% da tupy e 5% da caygangue. Os principais compradores da amora cultivada em Campestre da Serra são os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, entre outros.

 

Comentários CORRIGIR TEXTO
CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Leia também

Desde 1996 o Jornal Cidades dedica-se exclusivamente a evidenciar os destaques dos municípios gaúchos. A economia de cada região é divulgada no jornal, que serve também de espaço para publicação de editais de licitação. Entre em contato conosco e anuncie nessa mídia adequada e dirigida às Prefeituras de todo o RS.

Informações e anúncios - Fone: (51) 3221.8633
E-mail: [email protected]


www.jornalcidades.com.br