Pandemia agrava esgotamento emocional dos professores no RS - Jornal Cidades
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMENTAR |
EDUCAÇÃO Notícia da edição impressa de 15/12/2020. Alterada em 16/12 às 03h00min

Pandemia agrava esgotamento emocional dos professores no RS

Pesquisa realizada por universidades  identificou que 60% dos docentes se disseram 'cansados' pelo trabalho

Pesquisa realizada por universidades identificou que 60% dos docentes se disseram 'cansados' pelo trabalho


/ITAMAR AGUIAR/PALÁCIO PIRATINI/CIDADES

Uma pesquisa nacional buscou dar visibilidade às vivências e entender os sentimentos dos professores na nova rotina durante a pandemia, bem como o impacto da Covid-19 nas suas rotinas profissionais. O estudo ProjeThos é realizado pela professora Carmem Giongo, da graduação e do mestrado em Psicologia da Universidade Feevale, em parceria com os docentes Karine Vanessa Perez (Universidade de Santa Cruz do Sul - Unisc) e Bruno Chapadeiro (Universidade Federal de São Paulo - Unifesp).

Seis meses após o início do levantamento, a pesquisa mostra que mais 70% dos professores estão em teletrabalho. Segundo o estudo, 50% dos educadores fazem menos intervalos, 55,4% deles dizem estar trabalhando mais e 58,3% dos entrevistados estão com mais atividades fora do horário de trabalho.

A preocupação aumenta quando o tema é a saúde física e mental desses profissionais. Dos entrevistas, 59,6% deles estão cuidando menos da postura e quase 80% professores estão interagindo menos com os colegas e realizando mais atividades domésticas, ao mesmo tempo que 65% dos educadores dizem estar cumprindo as mesmas ou mais metas e prazos. Com o cenário de incerteza sobre a volta à rotina presencial ou a continuidade das aulas remotas, 90% dos profissionais da educação estão preocupados, 60% dizem estar cansados e 67,2% com dificuldades de planejar o futuro.

A pesquisadora Carmem Giongo destaca que, em relação aos sentimentos sobre o trabalho, as palavras mais citadas pelos educadores estão relacionadas à angústia, tristeza, desmotivação, exaustão, cansaço, estar perdido, oprimido e sem esperança. "Essas expressões estão associadas a vivências e a preocupação com os prejuízos ao processo de ensino-aprendizagem dos alunos, além da dificuldade de acompanhamento e oferta de suporte social, tradicionalmente oferecidos pelas escolas", analisa.

Como estratégias que poderiam ser implementadas visando à melhoria do trabalho, a pesquisa aponta ações como a implementação de grupos de apoio, trocas de conhecimentos sobre aulas remotas, redução das metas, prazos e da carga de trabalho e interrupção total das atividades. "Em contrapartida, o que mais marcou para os professores neste contexto de pandemia foram as precárias condições socioeconômicas dos alunos, situações de ameaças frente aos contratos de trabalho e emprego, demissões e abusos praticados pelas instituições de ensino, assim como o desrespeito à situação emocional dos professores e falta de apoio e de convivência com os colegas", finaliza.

Comentários CORRIGIR TEXTO
Av. João Pessoa, 1282 - Farroupilha
Porto Alegre - RS - CEP 90040-001
Fone (51) 3213.1300