Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMENTAR | CORRIGIR
SANTO ÂNGELO Notícia da edição impressa de 30/01/2020. Alterada em 31/01 às 14h06min

Prefeitura trabalha na elaboração dos PPCI's das escolas municipais

Antes do início do ano letivo na rede municipal de ensino, a secretaria de Educação de Santo Ângelo desenvolve o Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio (PPCI) nas 41 escolas de ensino do município. A implantação deste sistema serve para que a rede pública de ensino esteja em conformidade com a legislação de prevenção e combate ao incêndio e ofereça segurança aos alunos, professores e servidores da educação. A ideia é que os documentos estejam prontos antes da abertura do ano letivo, na segunda quinzena de fevereiro.
 De acordo com a engenheira civil da secretaria, Raquel Kreuzberg, responsável pelos PPCI's das escolas, o trabalho iniciou em abril do ano passado e todo o projeto foi elaborado de acordo com a legislação do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul. "Primeiramente, foram realizadas visitas às escolas, analisando todos os itens que possuíam e as áreas construídas a serem protegidas. Em segundo instante, após esse detalhamento foi feita a planta baixa de cada escola e distribuída de acordo com as distâncias e áreas a serem protegidas às adequações necessárias a cada edificação", explica.
 Conforme alguns itens observados nas normas, segundo a engenheira, foi possível identificar quais escolas deveriam ser encaminhadas como Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI) e quais deveriam ser encaminhadas como Plano Simplificado de Prevenção Contra Incêndio (PSPCI). "No primeiro caso foram feitas as plantas baixas, cortes e planta de localização e situação, além de demais documentos exigidos, para o encaminhamento físico junto aos Bombeiros Após este processo, foi gerado o protocolo e, então, é realizada a análise dos documentos pelos bombeiros. No segundo caso, todos os documentos são encaminhados de forma online pelo sítio do CBM, para análise", justifica.
 A engenheira salienta que o que diferencia o modo como é encaminhado é a área construída e a ser protegida, se a mesma possui ou não central de gás, onde os Planos encaminhados como PPCI devem possuir área maior ou igual a 750 metros quadrados ou possuir dois ou mais pavimentos. Além disso, para ser encaminhado como PSPCI deve possuir área até 750 metros quadrados e não possuir central de gás.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Av. João Pessoa, 1282 - Farroupilha
Porto Alegre - RS - CEP 90040-001
Fone (51) 3213.1300