Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMENTAR | CORRIGIR
GRAMADO Notícia da edição impressa de 15/01/2020. Alterada em 15/01 às 03h00min

Projetos são rejeitados em votação na Câmara

Na sessão ordinária da Câmara Municipal, realizada na segunda-feira, os vereadores de Gramado rejeitaram dois projetos de lei do Executivo para vender imóveis e também contrair um empréstimo para construção de uma escola e obras de asfalto em várias localidades.

 O projeto de lei requeria autorização legislativa para o município de Gramado realizar a alienação de cinco bens imóveis, avaliados em cerca de R$ 3,4 milhões, a fim de construir as novas instalações da Escola de Educação Infantil Raio de Sol, a recuperação do asfalto da RS-373, entre Várzea Grande e Serra Grande, e duas rótulas, uma de acesso ao Loteamento Mazzurana e outra no entroncamento com a estrada que liga à Linha Renânia. O encaminhamento da venda dos imóveis dependia da aprovação dos vereadores.

 As obras pretendidas com o empréstimo comporiam o desenvolvimento da mobilidade urbana, acessibilidade, transporte coletivo e maior eficiência na prestação dos serviços públicos com recapeamento asfáltico e pavimentação de vias. O empréstimo de R$ 35 milhões serviria para melhorias nas estradas da Linha XV, do Caracol, Estrada do Quilombo, revitalização da estrutura do ponto turístico do Morro da Polenta e das principais ruas do Vale dos Pinheiros e ligação entre o bairro Piratini com o bairro Prinstrop e RS-235 .

 Parte dos projetos técnicos seriam elaborados pela secretaria de Governança e Desenvolvimento Integrado e, segundo o projeto de lei, o prazo de pagamento da operação de crédito alcançaria até 12 anos, com tempo de carência de dois a três anos após a conclusão das obras. Com a recusa do Legislativo, o Executivo tentará propor um novo projeto para viabilizar as obras.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Av. João Pessoa, 1282 - Farroupilha
Porto Alegre - RS - CEP 90040-001
Fone (51) 3213.1300