Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMENTAR | CORRIGIR
PELOTAS Notícia da edição impressa de 08/11/2019. Alterada em 08/11 às 03h00min

Instalação de usina termoelétrica na cidade é discutida

A prefeita Paula Mascarenhas se reuniu com representantes do Sindicato das Indústrias de Arroz de Pelotas (Sindapel) no Paço Municipal para discutir a destinação da casca do grão. Atualmente, 150 toneladas de casca de arroz são produzidas por dia no município. Uma das possibilidades levantadas, foi a instalação de uma usina termoelétrica em Pelotas.

 Como o material não pode ser descartado de qualquer maneira, os produtores armazenam, queimam ou repassam para indústrias de geração de energia. A proposta apresentada pelo Sindapel é que uma destas usinas termoelétricas se instale na cidade, dando destinação correta ao resíduo, além de atrair investimentos e gerar impostos, tanto para o município quanto para o Estado. Já há empresa interessada no projeto que irá passar pela prefeitura para análise do aspecto ambiental, principalmente em relação ao consumo de água necessário ao funcionamento.

 "Vamos fazer um estudo e avaliar, com seriedade, as possibilidades junto ao Serviço Autônomo de Saneamento de Pelotas e à secretaria de Qualidade Ambiental, e também dar sugestões. Temos que ver o que viabiliza o empreendimento. Isso é importante para Pelotas, para nosso desenvolvimento e geração de emprego e renda", afirmou a prefeita Paula.

 O secretário de Qualidade Ambiental, Felipe Perez, presente na reunião, apontou a possibilidade de usar as cinzas provenientes da queima da casca do arroz nas olarias do município, para aterro das covas. Seria um paliativo, que não aproveita a totalidade das toneladas estocadas, mas poderia desafogar os galpões dos arrozeiros até a construção da usina, por exemplo.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Av. João Pessoa, 1282 - Farroupilha
Porto Alegre - RS - CEP 90040-001
Fone (51) 3213.1300