Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMENTAR | CORRIGIR
NOVO HAMBURGO 06/09/2019 - 03h40min. Alterada em 06/09 às 03h00min

Encenação teatral aborda direitos e alerta sobre o trabalho infantil

Companhia Teatro Luz em Cena percorreu diversos pontos da cidade e realizou mais de 100 apresentações

Companhia Teatro Luz em Cena percorreu diversos pontos da cidade e realizou mais de 100 apresentações


/LU FREITAS/DIVULGAÇÃO/CIDADES

Ciente do cenário atual e com o objetivo de promover uma ação rápida para conscientizar a comunidade sobre a questão, o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) no município encontrou no humor a melhor fórmula para passar a sua mensagem de enfrentamento ao problema social. A iniciativa ganhou elenco e seu sucesso foi atestado com a esquete "Ser Criança", de texto divertido e contundente, desenvolvida pela companhia Teatro Luz em Cena em parceria com o Peti de Novo Hamburgo.

A peça itinerante percorreu diversos territórios da cidade. No total, ao longo de dez dias, foram cem encenações que atingiram crianças, jovens, famílias e profissionais da rede de proteção e promoção dos direitos de crianças e adolescentes, incluindo a última e recente apresentação, realizada em todos os andares do Centro Administrativo Leopoldo Petry.

O trabalho infantil se configura como uma grave violação de direitos aos jovens. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitca (IBGE), de 2016, o País tem 2,4 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos em atividade laboral, sendo pretos e pardos quase 70% desse grupo. "Hoje, as situações de exploração da mão de obra infantil e infantojuvenil estão cada vez mais veladas", constata a coordenadora do programa em Novo Hamburgo, Janine Alves Neves, motivo para uma ainda lenta redução da prática. "O que torna necessária a implementação de constantes atividades que busquem sensibilizar a população acerca das consequências dessa violação que acaba muitas vezes por reproduzir o ciclo de pobreza da família" completa.

O Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, do governo federal, é um conjunto de ações que têm o objetivo de retirar crianças e adolescentes menores de 16 anos do trabalho precoce, exceto na condição de aprendiz, sendo proibida para menores de 18 anos a atividade laboral em condições perigosas ou insalubres. O Peti oferece a inclusão das crianças e dos jovens em serviços de orientação e acompanhamento. A frequência à escola também é exigida.

A ciência comprova que o trabalho infantil prejudica a capacidade cognitiva da criança, impactando em sua aprendizagem, quando não acaba por afastá-la da escola e a torna vulnerável em diversos aspectos, como saúde, exposição à violência, assédio sexual, esforços físicos intensos, acidentes com máquinas e animais no meio rural. As atividades seguem orientações para gestão no Sistema Único de Assistência Social (Suas).

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Av. João Pessoa, 1282 - Farroupilha
Porto Alegre - RS - CEP 90040-001
Fone (51) 3213.1300