Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMENTAR | CORRIGIR
LAGOA VERMELHA Alterada em 09/07 às 03h00min

Projeto quer reduzir gravidez na adolescência e prevenir as DSTs

Segundo a Organização Mundial da Saúde, Brasil tem número acima da média de adolescentes grávidas

Segundo a Organização Mundial da Saúde, Brasil tem número acima da média de adolescentes grávidas


/MARCO QUINTANA/JC

O Projeto Águia, lançado por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), busca garantir o acesso de adolescentes e jovens a ações de prevenção, atenção a agravos e tratamentos de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), e a gravidez na adolescência. O objetivo é também realizar ações educativas relacionadas às demandas e necessidades trazidas jovens. 

A coordenadora do Projeto Águia, ginecologista e obstetra Meire Valle, alerta sobre os mitos que envolvem a sexualidade na adolescência. "Quando falamos sobre sexualidade, precisamos quebrar um tabu. Muitos imaginam que falar sobre o assunto vai estimular a criança e o adolescente a ter relações sexuais, o que é um equívoco", expõe. O objetivo da educação sexual é prevenir DSTs, a gravidez precoce e indesejada durante essa fase da vida.

Meire explica que, às vezes, o ato sexual é feito na intenção de dar uma prova de amor para o parceiro, aumentar a intimidade, ou por baixa autoestima, violência sexual, influência de amigos, desconhecimento sobre o tema, entre outros. A ginecologista diz que é direito dos adolescentes terem privacidade no momento da consulta, dessa forma, garantindo o sigilo, e pode ser sem a autorização e a presença dos pais.

Segundo o relatório publicado no começo de 2018, por meio da Organização Pan-Americana da Saúde e a Organização Mundial da Saúde, a taxa de gravidez de adolescentes no Brasil está acima da média latino-americana e caribenha, com 68,4 nascimentos para cada 1 mil adolescentes. O índice mundial de gravidez na adolescência é estimado em 46 nascimentos, para cada mil meninas entre 15 e 19 anos, enquanto a taxa na América Latina e no Caribe é de 65,5 nascimentos, superada apenas pela África Subsaariana.

Durante o encontro de lançamento do projeto, Meire esclarece que, na área da saúde, a adolescência engloba a faixa etária dos 10 aos 20 anos. Ela também informa os dados sobre a taxa de gravidez na adolescência em Lagoa Vermelha. "No ano de 2017, haviam 330 gestantes, e 74 eram adolescentes. Em 2018, eram 323 gestantes, e 51 delas eram adolescentes. Neste ano, são 27 gestantes adolescentes, de 150 grávidas. Já no Hospital São Paulo, de janeiro a maio deste ano, foram 220 nascimentos, e 18 dessas crianças eram de adolescentes."

Serão realizadas palestras do Projeto Águia para alunos da rede pública e privada de ensino, entre 10 e 20 anos, tanto do sexo feminino quanto do masculino, a partir do 7º ano do Ensino Fundamental até o 3º ano do Ensino Médio. Em uma segunda etapa, somente meninas serão atendidas, para que fiquem mais à vontade para esclarecimentos de dúvidas.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Av. João Pessoa, 1282 - Farroupilha
Porto Alegre - RS - CEP 90040-001
Fone (51) 3213.1300